A experiência de ler um ebook – artigo

Colaboração do leitor Amazon, Artigos, Ebooks, ereader, ereaders, livro eletrônico, Tecnologia Deixe um comentário

Revolução E-book

Uma grande vantagem do ebook é a possibilidade de ler utilizando vários dispositivos diferentes. Algumas livrarias, como é o caso da Amazon, disponibiliza os livros comprados para seu eReader Kindle nas nuvens, além de aplicativos para diversas plataformas, como PC, Mac, Android, iPhone e iPad.

Outras livrarias, apesar de não disponibilizarem os livros em nuvens, e às vezes, nem possuir aplicativos de leitura próprios, distribuem seus livros em formatos abertos, como o ePub, o qual pode ser visualizado em qualquer aplicativo com suporte ao formato (atualmente existem vários aplicativos com este proposito disponíveis para todas as atuais plataformas).

Independente de se você é cliente de uma livraria que vende livros em formato aberto ou se a livraria possui um formato fechado e exclusivo, como e o caso do formato suportado pelo Kindle da Amazon. O maior barato de se ler um ebook é que você poderá ter seu livro no computador de casa, no browser, no ereader, no tablet e até no smartphone.

Você não precisa se preocupar de ter de lembrar de levar o livro quando for à uma consulta médica ou mesmo quando estiver esperando o almoço que, por ventura, esteja demorando para ficar pronto, por exemplo. Se você possui um smartphone, estes telefones celulares mais robustos que estão se tornando cada vez mais comuns no mercado, você poderá ter todos os seus livros (sei que “todos” é uma palavra forte, mas podemos considerar centenas ou até milhares de exemplares) em seu telefone. E como eu acredito que você não saia de casa sem seu aparelho, posso dizer que você terá seus livros com você por 24h por dia!

Você pode estar pensando que a tela do celular seja muito pequena e, consequentemente, desconfortável para leituras longas. Tudo bem, você tem razão (apesar de que eu posso garantir que dá para se acostumar facilmente), a tela de um smartphone não é das melhores para longas leituras. Mas se você vai ler por muitas horas, é provável que você precise se programar para isto, assim, ao invés de optar pelo celular, poderá escolher o ereader, tablet ou até o mesmo computador pessoal.

A maioria dos ereaders modernos possuem tela entre 6″ e 9″ com tecnologia e-ink, uma tela especialmente projetada para leituras que não emite luz e assim, não cansa a vista como uma tela de LCD convencional. Além disso, os ereaders costumam ser mais leves que um livro fino, o que proporciona ainda mais conforto à leitura (quem já leu algum livro da série As Crônicas de Gelo e Fogo sabe do que estou falando).

Os tablets por sua vez, apesar de possuírem tela convencional (LCD) que possuem emissão de luz e serem um pouco mais pesados que os ereaders, também possuem telas de tamanho agradável. Uma vantagem dos tablets é que estes são verdadeiros computadores de mão, assim, se você cansar de ler, poderá fazer outras infinitas coisas com o aparelho.

Acredito que o PC dispense comentários, assim eu gostaria de abordar outro aspecto.

Quando falamos sobre ler em dispositivos eletrônicos muita gente acha estranho e se indagam sobre coisas como o cheiro do papel ou o feeling de estar com um livro nas mãos.

Bom, sobre isto eu posso falar com segurança. Eu fui um desses que se enchem de sentimento de perda ao imaginar os livros físicos sendo substituídos por bytes (e olha que sou analista de sistemas e apaixonado por tecnologia). No meu caso eu ainda posso dizer que foi pior. Durante muitos anos eu sonhei em montar a velha “biblioteca” de quarto, com os livros queridos expostos quase que como troféus. E quando eu finalmente consegui iniciar minha coleção, eis que surgem os tais “filhos de pulsos elétricos”.

Só de imaginar que em alguns anos a tendência seria de meus livros se tornarem obsoletos e de um dia meu filho (que ainda não tenho) olhar para mim com cara de espanto e perguntar: “Sério? Você tinha que carregar esse troço ENORME para poder ler? E nem tinha um campo de busca?” já me dava aquele sentimento de “o que é bom dura pouco”.

Pois bem, acontece que junto com a chegada (ou inicio da popularização) dos ebooks eu comecei a ler em inglês. Como aprendiz de uma língua estrangeira eu ainda preciso muito da ajuda de um dicionário, e era super chato toda hora ter que interromper a leitura e folhear o velho dicionário para encontrar a tradução.

Foi ai que eu decidir experimentar os ebooks de verdade (falo “de verdade”, me referindo a ler de fato, e não apenas abrir uma aplicação para ver como ela é bonitinha). A grande vantagem do ebook, no meu caso, era que eu podia simplesmente tocar sobre a palavra que eu não conhecia por alguns segundos, e o aplicativo exibia seu significado na tela (usando o Kindle rodando em um smartphone ou tablet Android). Como o dicionário do aplicativo era inglês-inglês, este ainda me ajudava muito à incrementar meu vocabulário. Pronto, eis que nascia uma nova paixão!

Hoje eu ainda possuo e compro exemplares em papel (geralmente aqueles que formam aquela coleção querida). Mas confesso que compro muito mais livros digitais que impressos. Infelizmente, o mercado brasileiro de ebooks ainda é despreparado e caro, e termina não compensando muito a aquisição dos livros digitais dentro do país. Porém, este não é o caso de muitas lojas estrangeiras, que apostam pesado na leitura digital e têm colhido bons frutos… Mas este já outro assunto, para outra hora!

por Luis Vasquez, da Livrobook.

A experiência de ler um ebook

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

Colaboração do leitor

SimplíssimoA experiência de ler um ebook – artigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *