Autora Inglesa Quer Lutar por Maiores Royalties em eBooks

da Redação Autores, Notícias 4 Comments

A autora Lindsey Davis passou a ocupar recentemente uma das cadeiras da Sociedade dos Autores inglesa. O que mais interessa pra nós nessa notícia é que ela prometeu seguir os passos de seu antecessor, Tom Holland, e deve lutar por melhores ganhos no assunto dos eBooks.

Davis acha que a porcentagem de 30% de royalties nos livros digitais está de bom tamanho:

Acredito que devemos reivindicar royalties de 30% para eBooks, e que mais do que isso seria o correto. É importante que lembremos que quando assinamos o nosso acordos para eBooks foi prometido um período de revisão de dois anos e os dois anos chegaram agora. Devemos fazer os editores rever esses acordos e números.

A autora também acha importante que os escritores acompanhem o trabalho do eBook do começo ao fim, vendo o processo como um todo. Dessa forma, conhecerão todo o caminho e saberão como tirar proveito disso, ao invés de ficarem dependentes de agentes.

A indiferença é endêmica na sociedade em geral, e eu odeio ouvir alguém que escreve dizendo: “Oh, eu nunca me preocupar com contratos; Deixo tudo isso para o meu agente.” Nomes famosos já fizeram isso, e deveriam se envergonhar.

Com informações do TeleRead e do The Bookseller.

Para publicar seu livro em ebook ou impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.000 autores e editoras. Veja como funciona a publicação para seu livro, aqui.

 

SimplíssimoAutora Inglesa Quer Lutar por Maiores Royalties em eBooks

Comments 4

  1. Ótimo post, como de sempre.
    Umas das coisas que sempre me deixou incucado e indiganado, é a situação desconfortável e desigual dos escritores (as) do mundo inteiro. Salvo algumas raras exceções, a grande maioria é sugada e explorada pelas editoras e livrarias, até onde sei, desde sempre.
    Como pôde ter chegado nesse nível e situação?

    Agora, com as coisas tomando rumos diferentes devido aos e-Pubs/e-Books, forçados por uma nova mentalidade mercadológica, pressões políticas internas dos “chamados” países do primeiro mundo, etc., um novo horizonte se mostra à frente para os que se dedicam à tarefa de repassarem para o público, o que lhes vem de dentro de si mesmos em forma de impulsos.

    Sinceramente ainda sou e estou muito cético em relação a este “embate” entre os co-criadores X Editoras/Livrarias.

    E vocês, principalmente você Stella, como veem isso?

    1. Ainda é um futuro incerto. Trabalhamos ainda com as regras do mercado do livro impresso, e ainda não conseguimos desenvolver novas regras para o digital. O digital entre muito no long tail, onde se vende mais barato para se vender por mais tempo.

      E, além disso, muda muito rapidamente o meio em que lemos. Hoje estamos no tablet, amanhã o que será? E como garantir royalties, acordos e direitos autorais em um mundo que nem sabemos como será daqui a uma semana?

      Eu espero que os escritores, agora que são mais livres, possam lutar por melhores ganhos, independente da plataforma.

      1. Verdade Stella: o futuro é algo obnubilizado!

        Todas as pessoas envolvidas na área/assunto sobre os livros e os seus prolongamentos, direta e/ou indiretamente, estão diante de um “divisor de águas” que, ao meu ver, já está definido.

        Já tivemos várias experiências neste sentido décadas passadas. Sempre houve e haverão resistências, os que sem razão de ser são do contra, talvez por picardia, e, obviamente o “padrão estabelecido”.

        Romper com tudo isso, queimar etapas sem eliminar arestas, sabemos, nunca foi possível. Por mais que “certos grupos” resistam, lutem pelos direitos e obtenham algumas pequenas vantagens, ainda assim quem e o que determina as coisas “não são” os consumidores, os compradores, os usuários, etc.
        São, desde sempre, “eles”!

        “De que vale ter a opinião formada sobre tudo”, se as regras são ditadas e impostas sobre a massa, por “eles” sutil e malignamente?

        A fórmula é simples: desvio-do-foco+distração+diversão+drogas lícitas+cinema+esportes+trabalho+TV+Internet+Celular+Escolas MUITO deficientes+inteligência MUITO pouco desenvolvida+percepção distorcida da Realidade+conhecimento BEM abaixo da média= ignorância=manipulação=consumo=escravidão.

        Síntese: “Eles” sabem do que precisam, e tudo farão para não largarem o “Osso”.

        “A cauda deles é longa, ´obvio, mas a Inteligência Verdadeira, curtíssima”!

        Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.