Apple rejeita acusação de conspiração com editora para venda de livros digitais

Eduardo MeloAtualizado em: Ebooks, Mercado Deixe um comentário

A Apple negou nesta quarta-feira (15) as acusações do Departamento de Justiça dos Estados Unidos de que a empresa teria conspirado com editoras para elevar os preços de livros eletrônicos.

O orgão acusou a Apple em abril de 2012 de “conspirar” com cinco editoras para elevar os preços de seus e-books, coincidindo com o lançamento do iPad no início de 2010. Desde então, a Apple estabeleceu acordos com as editoras.

As editoras eram a HarperCollins Publishers da News Corp, Simon & Schuster da CBS, Hachette Book Group da Lagardère SCA, Macmillan, unidade da Verlagsgruppe Georg von Holtzbrinck GmbH, e a Penguin Group da Pearson.

Segundo representantes da Apple, as editoras tinham decidido por conta própria eliminar descontos dos preços nas vendas por atacado de e-books, para vender livros de capa dura primeiro às livrarias e tomar outras medidas para pressionar aumento de preços pela Amazon, que preferia mantê-los baixos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.