5 Coisas Aprendidas no Mundo Editorial em 2011

da Redação Ebooks, Notícias Deixe um comentário

Jenn Webb da O’Reilly preparou um artigo muito bom sobre o que foi aprendido no meio editorial em 2011, com ênfase no digital. Vamos ver quais as considerações dela:

A Amazon é, de fato, um concorrente disruptivo em publicação

Parece que esse ano a Amazon terminou de vestir a carapuça do mal para as editoras. Além de espremê-las ao máximo para manter o modelo normal de mercado e baixar os preços dos eBooks, ainda saiu com vários serviços que mostram que irá competir junto com as editoras.

Lançou sua plataforma de auto-publicação, adquiriu livros infantis de editoras e lançou um programa de empréstimo que deixou todo o mercado editorial mais fulo ainda. Não fez  nada para agradar as editoras, simplesmente porque ela vende toneladas de livros digitais e por isso sabe que todos precisam dela.

Avançou para mercados fora dos Estados Unidos, como Espanha, Itália, Reino Unido e promete mais para 2012, como Brasil, Japão e outros. Está em uma corrida maluca para dominar o mundo, e seu CEO Jeff Bezos sabe muito bem como inovar em estratégias para ganhar esse prêmio.

Nas palavras de Webb:

Se não estava aparente antes, as intenções da Amazon na publicação tornaram-se claramente óbvias este ano. A onda começou pequena, com uma série de ampliações das ferramentas de auto-publicação para os autores, mas cresceu em proporções de tsunami quando  lançou imprint após imprint, de romance a ficção científica. A Amazon também contratou o peso-pesado da indústria Larry Kirshbaum, que “foi incumbido de construir algo que será semelhante a uma editora comercial em geral.”

Editoras não são necessárias para a publicação

Com o sucesso de sites como o Smashwords e o lançamento de ferramentas de auto-publicação em lojas virtuais (como na Amazon, e Barnes & Noble), junto com o sucesso de autores independentes como John Locke e Amanda Hocking, ficou provado que ter uma editora por trás de um autor e uma obra não é algo totalmente necessário.

Sim, tivemos casos em que editoras tentaram provar o contrário, e eu sempre digo aqui que editoras são e serão muito importantes em todo o processo editorial sempre. Mas ainda assim, é possível fazer sucesso, ganhar dinheiro e conquistar leitores sem a ajuda de uma editora.

Nas palavras de Webb:

A Amazon tem um papel neste crescimento, também. O The Wall Street Journal relatou que “A Amazon.com Inc. abasteceu o crescimento [na auto-publicação] ao oferecer aos escritores auto-publicados 70% das receitas em livros digitais, dependendo do preço de varejo. Em comparação, as editoras tradicionais tipicamente pagam seus autores com 25% do total de vendas digitais e muito menos em livros impressos.”

Leitores com certeza gostam de eBooks

Desde agosto, demos inúmeras notas de crescimento nas vendas de eBooks, versus a queda nas vendas de livros impressos. Este também foi o ano em que a Amazon anunciou que já vende mais eBooks do que livros físicos. Isso tem que querer dizer alguma coisa, e isso significa que leitores realmente estão aderindo ao digital na hora de comprar seus livros.

Com a explosão de vendas de tablets e smartphones, nada mais óbvio do que termos o crescimento da leitura nesses aparelhos. As grandes lojas virtuais chegaram a mais países, e isso também ajudou. No Brasil, assim como em vários outros países, mais editoras lançaram seu catálogo em eBook, o que fez com que mais pessoas tivessem acesso a mais livros. Chegamos a mais de 5 mil downloads do livro da biografia de Steve Jobs, publicado pela Cia. das Letras.

Nas palavras de Webb:

A boa notícia é que as pessoas ainda estão lendo e estão abraçando a transformação digital. O Grupo de Estudos da Indústria do Livro (BISG) divulgou um relatório em novembro, mostrando que os leitores estão solidamente comprometendo-se com livros digitais. Alguns destaques do relatório mostram que “Grandes compradores estão gastando mais. Mais de 46% dos que dizem adquirir eBooks ao menos semanalmente relatam que aumentaram seus dólares gastos para livros em todos os formatos, em comparação com 30,4% de todos os entrevistados.” Além disso “Cerca de 50% dos consumidor de livros impressos, que também adquiriram um livro eletrônico nos últimos 18 meses poderia esperar até três meses para a versão eletrônica de um livro de um autor favorito, ao invés de imediatamente lê-lo em versão impressa.”

HTML5 é uma importante tecnologia de publicação

Já falamos aqui. Apesar de o ePub ser o padrão mundial, e estar se consolidando como o formato preferido de editoras e lojas virtuais, o HTML5 é muito mais versátil, agnóstico e duradouro. O próprio ePub3, assim como outros formatos especiais, são feitos com HTML5.

Nas palavras de Webb:

O HTML5 entrou no espaço de publicação em grande forma este ano – com alguns chamando-o de “futuro da publicação digital.” Do armazenamento para a multimídia para o comportamento de conteúdo (pense agitando o iPhone ou redimensionamento automático para diferentes tamanhos de tela) para geolocalização a uma série de outros recursos interativos, o HTML5 está se moldando para se tornar um jogador importante no setor. A Amazon (principalmente) abraçou-o em seu formato Kindle 8, e o HTML5 é suportado no ePub3.

O HTML5 é agnóstico de plataforma e pode até mesmo ser capaz de salvar – ou fazer – dinheiro a editores. Em entrevista no início do ano, Marcin Google Wichary explicou: “É muito importante reconhecer que o HTML5 serve para todos os dispositivos que você pode pensar, como o iPhone em seu bolso, o Google TV, os tablets, as telas pequenas e grandes. É muito fácil pegar o conteúdo que você já tem e através da “magia” do HTML5, refiná-lo para que ele funcione muito bem dentro de um determinado contexto. Você não tem que fazer seu trabalho outra vez.”

O DRM é cheio de conseqüências não intencionais

Cada vez mais, o DRM mostra-se um vilão na continuidade do mercado editorial digital. Apesar de ainda não haver qualquer alternativa satisfatória para ele, muitos sabem que ele prejudica o leitor honesto, prende o cliente a uma plataforma, põe em risco o armazenamento a longo prazo de uma biblioteca particular e ainda custa dinheiro para a editora e para as lojas virtuais.

Além disso, é uma falsa sensação de segurança a qualquer um, seja editora ou autor. Apenas quem não sabe mexer com tecnologia (ou até mesmo essas pessoas) não têm ideia de como quebrar o DRM de um eBook em menos de 5 minutos. Existem plugins rápidos e fáceis para aplicativos gratuitos, com inúmeros tutoriais na internet.

Nas sábias palavras de Webb:

Então, para recapitular, nós aprendemos que o DRM não impede ninguém de pirataria, nem vem com os dados necessários para apoiar o seu impacto. Mas dá aos editores uma coisa: um longo pedaço de corda com a qual se enforcar.

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

da Redação

Para entrar em contato com a redação do Revolução eBook, escreva para sac@simplissimo.com.br

Simplíssimo5 Coisas Aprendidas no Mundo Editorial em 2011

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.