Texto corrido

Como Produzir um eBook Melhor – Parte 2

da Redação Ebooks Deixe um comentário

Acompanhe a primeira parte aqui.

Continuando com nosso manual de boas práticas em livros digitais, seguimos explicando de forma mais extensa os itens de verificação pedidos pelo prêmio Publishing Innovation Awards para dar um selo de qualidade aos inscritos.

9. Quebras de capítulo ou de página

Não se esqueça de dividir seu livro digital nos locais corretos. Quebrar o arquivo HTML do livro em diversas partes – geralmente em capítulos – já é uma boa ideia, mas procure fazer com que o final do assunto quebre e deixe o resto da “página” em branco, só retomando o texto na página seguinte. Deixa tudo mais organizado, mais parecido com o fluxo do livro impresso e mais caprichado.

10. Imagens

Muitos pensam que é só pegar a imagem do livro impresso e jogar dentro do eBook, mas não é bem assim. A imagem precisa ter seu tamanho de arquivo reduzido para não atrapalhar todo o livro, e o código deve permitir que ela seja redimensionada corretamente de acordo com o tamanho da tela em que está sendo exibida.

Não se esqueça também do texto “alt” nas imagens, pois elas são utilizadas quando o arquivo não pode ser lido ou na interpretação por voz para cegos.

11. Tabelas

Tabela é a grande dor de cabeça do designer de livros digitais. Na grande maioria das vezes elas não são feitas para telas menores, exigem um grande tempo para que fiquem corretamente diagramadas e, no final, sempre podem ser estragadas se o leitor redimensionar o livro ou mudar o tamanho da fonte.

Ainda assim, todo o esforço é válido, e colocar tabelas em PNG no meio do livro digital é o relaxo dos relaxos. Como imagem a informação da tabela não participa da indexação para pesquisa, e pode ter a leitura prejudicada em certos dispositivos. Faça sua tabela em texto sempre que possível, e na melhor construção e adaptabilidade possível.

12. Símbolos

O Brasil tem alguns problemas de acentuação por aí. É verdade que em menor escala do que russos e chineses, por exemplo, mas ainda assim, é bom se preocupar. Alguns símbolos não são nativos de todas as fontes, e podem prejudicar o texto se estiverem faltando. Ainda mais se estivermos falando de um livro sobre fórmulas matemáticas!

Cuide então para que tudo esteja certo, e observe duplamente se o conteúdo especial com símbolos está sendo lido em qualquer lugar.

13. Metadados

Metadados parecem não ser tão importantes, já que ficam escondidos dentro do código do livro, mas em um mar de publicações na internet, disputando cada pequeno espaço para aparecer, esse conteúdo vale ouro. Mecanismos de busca não indexam conteúdo lendo a capa de um eBook mas, assim como nos sites, são os metadados que são lidos e compreendidos.

Preencher os metadados de um livro digital com informações mínimas como autor, nome do livro, editora, gênero e ISBN é obrigatório. Mas se você quiser que seu livro tenha mais chances de ser encontrado em uma busca, preencha o quanto puder de informações relevantes, pois metadado será o futuro para as editoras.

Número de edição, ano de publicação, palavras-chave sobre o livro, informações sobre capistas, ilustradores e qualquer outro item que faça de um eBook único deve ser considerado e incluído. Ah, e não vale jogar em qualquer lugar, pesquise onde deve ir cada informação. Softwares gratuitos como o Sigil fazem isso também.

14. Cuide dos bastidores

Deixe o código bonito e arrumado, isso acaba fazendo diferença no desempenho do eBook. Utilize as semânticas certas no HTML e não faça gambiarras no CSS. Alguém depois de você poderá ter que mexer no volume e não saberá o que fazer, ou a gambiarra poderá dar problemas em plataformas específicas.

Aplique o CSS na folha de estilos dele, e não dentro do livro, do arquivo HTML. Isso ajuda a padronizar as obras de uma editora, já que a mesma folha poderá ser utilizada em outros títulos. Da mesma forma, caso seja necessário fazer alguma modificação em massa, só precisará ser substituída uma folha, e não será o início da cruzada atrás de arquivo por arquivo.

Lembre-se também de incluir todas as seções do livro no NavMap do arquivo, e também de incluir as PageLists e NavLists no NCX. O NCX, aliás, também precisa ser observado. Se os títulos no seu livro digital são em caixa alta, eles não precisam ser assim também no sumário externo dos aplicativos e dispositivos, arrume isso.

15. Testes

Teste em todos os aparelhos, aplicativos e plataformas que conseguir. Tenha junto a você um “conjunto” formado, pelo menos, por uma tablet com iOS, uma tablet com Android e diferentes smartphones com vários aplicativos, além de aplicativos instalados também no desktop e no navegador da sua máquina. E teste em todos eles, certificando-se que um possível leitor não terá problemas seja lá a plataforma escolhida.

Para publicar seu livro em ebook ou impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Nossos números são difíceis de bater: desde 2010, a Simplíssimo comercializou mais de 1 milhão de exemplares e publicou mais de 1.000 ebooks e livros impressos. Veja como funciona a publicação para seu livro, aqui.

 

SimplíssimoComo Produzir um eBook Melhor – Parte 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *