Copyright criou uma geração de livros esquecidos, revela estudo

Eber Freitas Ebooks, Mercado 1 Comment

A obsolescência programada é um vício mercadológico que também atinge o mercado de bens culturais — incluindo o de livros. Para constatar, basta um rápido questionamento: é mais fácil encontrar um título de Machado de Assis nos meandros da Web ou o Diário de Bitita, escrito pela ex-catadora de lixo Carolina Maria? Provavelmente você nunca ouviu falar no segundo. E o motivo pode ser o copyright.

Um estudo publicado recentemente mostra que títulos comerciais protegidos por copyright, tendem a ter vida curta. Além de [muitos] não renderem dividendos à editora e ao autor, permanecem praticamente inacessíveis pelas próximas décadas — até que alguém redescubra a obra e adquira os direitos patrimoniais ou ela caia em domínio público.

A pesquisa foi conduzida por Paul J. Heald, da Universidade de Ilinois, e faz observações que se contrapõem à lógica dos direitos autorais. “Um livro publicado durante a presidência de Chester A. Arthur (1881 – 1885) tem maiores chances de ser reimpresso hoje do que um publicado durante o governo de Reagan (1981 – 1989)”, relata. E continua: “o copyright está mais relacionado ao desaparecimento de trabalhos do que à sua disponibilização”.

Para a execução da pesquisa, Heald fez um recorte de 2317 títulos disponíveis na Amazon que foram publicados originalmente entre 1800 e 2000. O resultado aponta que as editoras não querem republicar títulos antigos, mas que ainda têm direitos patrimoniais — ao invés disso, recorrem aos títulos em domínio público.

Em uma análise do artigo, a colunista do The Atlantis Rebecca Rosen declara que existe um verdadeiro “buraco” na memória coletiva devido às políticas patrimonialistas de direitos autorais. Entre 1910, quando passou a existir uma maior restrição ao acesso, até meados dos anos 2000, após a consolidação da internet, existe um vácuo de literatura nas categorias de ficção e não-ficção.

“Logo após que os trabalhos são criados e apropriados, eles tendem a desaparecer do público para reaparecer em números significantemente maiores quando caem em domínio público e perdem seus detentores”, revela o estudo. Ou seja, existe um número significativamente maior de obras datadas de 1910 do que títulos originalmente publicados em 1950, após a explosão informacional do pós-guerra, que permanecem em um verdadeiro limbo.

É como se alguns clássicos das músicas dos anos 70 e 80, por exemplo, permanecessem absolutamente desconhecidos para as gerações atuais.

“Copyright faz com que os livros desapareçam. Quando expira, os livros voltam à vida”, conclui o estudo. A lógica do copyright, lembra o autor, é gerar lucro para garantir que os livros sejam adequadamente distribuídos e gerar mais receita, alimentando a cadeia produtiva. Idealmente, é um sistema perfeito. Mas as evidências não apontam para esse caminho. Algo não está certo.

Para publicar seu livro em ebook ou impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.000 autores e editoras. Veja como funciona a publicação para seu livro, aqui.

 

SimplíssimoCopyright criou uma geração de livros esquecidos, revela estudo

Comments 1

  1. Pingback: Publique Seu Livro | Dicas de Roteiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.