futuro dos livros

Dez Previsões Ousadas Para a Publicação de Livros em 2012 – Parte 2

da Redação Ebooks, Notícias Deixe um comentário

Final de ano é época de fazer o balanço de 2011 e as previsões para 2012. Todo mundo vai fazer isso, mesmo que apenas dentro da própria cabeça. Dentre os vários artigos, vamos passar e comentar esse de Jeremy Greenfield, editor chefe do site Digital Book World. Confira a segunda parte.

6. Agências literárias irão se envolver em uma campanha para comunicar o valor de seus serviços para a indústria do livro.

Um dos grandes debates de 2011 foi em torno da relevância das editoras. Autores independentes e alguns outros declararam que o modelo de negócio de grandes editoras está desatualizado. Grandes editoras ficaram quietas a maior parte do ano – até algumas semanas atrás, quando a Hachette vazou um manifesto interno sobre a sua relevância no mercado. Um vai-e-vem animado entre os defensores e detratores se seguiu.

No próximo ano, os agentes podem ser chamados a fazer o mesmo.

“Os agentes vão se tornar mais aptos a discutir publicamente o valor de seus serviços”, disse Ginger Clark, um agente literário de Nova York. “Nossos clientes todos sabem o que fazemos por eles, mas autores não representados que são auto-publicados não sabem o que estão perdendo.”

Meu palpite: Sim, editoras e agente literários terão de mostrar seu valor no mercado. A publicação independente é uma ótima coisa para autores, mas aqueles que realmente querem fazer sucesso, ou ter mais chances disso, ou ainda terem um trabalho bem organizado, precisarão dessas pessoas para refinarem e publicarem seu conteúdo. Mas para que saibam disso, editoras e agentes precisarão fazer propaganda. Uma campanha coletiva seria uma ótima ideia.

7. Autores irão se desencantar com os direitos que assinam para as editoras. Termos de direitos autorais mais curtos e flexíveis se tornarão mais atraente para os autores.

Em um determinado ponto no ciclo de vida comercial de um livro, o autor começa a fazer cada vez menos dinheiro. Contratos impedem que os autores usem novas ferramentas de mídia para estender a vida comercial da propriedade intelectual pois o autor não detém os direitos serão menos atraentes para os autores.

“Conforme o valor da presença na web aumenta, os autores ficam mais frustrados que suas obras sejam amarrados por licenças de direitos autorais que deixam de trazer a eles qualquer outra recompensa financeira”, disse David Weinberger, pesquisador sênior do Center for Internet & Society Berkman de Harvard, um laboratório de pesquisa Internet.

Meu palpite: Mais uma oportunidade para o Brasil. Vendo como isso se desenvolve lá fora, editoras brasileiras que estão renegociando contratos, ou fechando novos, poderão já se adaptar a esses novos tempos e produzir termos em que o autor possa participar mais em todas as etapas.

8. Os royalties padrões para eBooks de grandes editoras irão subir no próximo ano e irão aumentar com o crescimento das vendas.

Com royalties de impressão, os autores tipicamente obtém uma maior porcentagem do preço de varejo sugerido quanto mais cópias são vendidas, de acordo com Shatzkin, o especialista no mercado de livros. Com os eBooks, no entanto, é mais frequente que os autores obtenham um padrão de 25% dos royalties, independentemente de quantos são vendidos.

“As pressões comerciais da indústria irão empurrar as taxas de royalties para cima e editores acharão menos oneroso pagar impostos mais altos se eles forem cobrados com base no desempenho”, disse Shatzkin. O quão alto eles vão? “Substancialmente menos de 50%, mas acima dos 25%”, disse Shatzkin.

Meu palpite: Espero que isso aconteça, pois o que era para ter acontecido era o oferecimento de melhores ganhos para autores, como já fazem Smashwords e Amazon, entre outras. Assim, editoras não conseguem concorrer com esses outros serviços e empresas. E também não é muito justo.

9. A linha de padrão do que é um aplicativo e um livro irá ficar mais tênue e aplicativos serão vendidos na iBookstore.

Com ePub3, o padrão mais recente de publicação de eBooks, editoras serão capaz de adicionar mais interatividade e elementos digitais do que nunca em seus produtos. Isto, por sua vez, poderia borrar a linha entre eBooks e aplicativos de livros, que são livros melhorados (enhanced) que vivem fora do ecossistema de livrarias online e já têm muitas das características que o ePub3 introduz aos tradicionais eBooks.

Além disso, a proliferação de tablets no mercado irá incentivar os editores a experimentar os dois tipos de eBooks.

“As normas de publicação em vigor que são definidas – o que é publicado no iBookstore versus o que é publicado em aplicativos – irá mudar”, disse Erin Reilly, diretor de pesquisa criativa no Annenberg Innovation Lab da Universidade de Southern California, um laboratório de pesquisa interdisciplinar. “Eles foram criados muito cedo. Você começará a ver mais abertura para a iBookstore permitindo diferentes tipos de infra-estruturas no local para o que é um livro. ”

Meu palpite: Isso já está acontecendo. Desde um tempo, ninguém mais sabe dizer o que é um eBook e o que é um app, um site, etc. O que falta, como dito acima, é que as livrarias e lojas virtuais se adaptem a esses casos, e vendam mais do que ePubs e PDFs. A Apple, como dito, deve ser uma das primeiras a fazer isso, mas Amazon e lojas menores devem seguir o mesmo caminho.

10. Mais empresas de publicação formarão grupos transmídia.

Em abril de 2011, a Random House lançou a Worlds Random House, uma parceria com a empresa de jogos transmídia de Los Angeles THQ. Cada vez mais, as editoras estão olhando para as propriedades intelectuais que possuem como extensíveis a mais plataformas de mídia.

“Todas as editoras ou terão um grupo transmídia in-house ou construirão esse tipo de parceria com especialistas na área transmídia”, disse Reilly.

Meu palpite: Uma opção bem acertada para qualquer um. Quer pagar menos em seus eBooks animados, livros melhorados e outros? Faça uma parceria com empresas que entendem do dobrado, e ambas sairão ganhando, entrando em um mercado que será muito lucrativo nos próximos anos.

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

da Redação

Para entrar em contato com a redação do Revolução eBook, escreva para sac@simplissimo.com.br

SimplíssimoDez Previsões Ousadas Para a Publicação de Livros em 2012 – Parte 2

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *