Gabe Newell, da Valve

Empresa de Jogos Considera Pirataria um Problema de Serviço

da Redação Notícias 1 Comment

O problema e o medo da pirataria que a indústria editorial enfrenta agora já foi e continua sendo enfrentado por diversas outras mídias. Há grandes problemas com filmes, músicas e também com os jogos.

Apesar de essas empresas ainda ganharem rios de dinheiro e lucrarem horrores todo o ano, além de crescerem sem obstáculos, perdem muito com pirataria. É conteúdo no qual foi investido dinheiro ara ser criado e que rola solto pela internet. Há controvérsias, há polêmicas, mas falando de forma capitalista, é produto sendo roubado.

A indústria da música levou o maior tombo de todos, e está conseguindo se erguer só agora, com muito esforço e muita mudança, com muita gente ainda chorando pelo mundo que não volta mais. Os fabricantes de jogos perceberam o problema, e também enfrentaram muitos contratempos graças à pirataria, mas logo entraram no esquema de assinaturas e serviços premium, e hoje gozam de relativa calma.

Valve, empresa de jogos bem sucedida

O melhor exemplo disso é a Valve. Além de criar jogos, criou também uma plataforma de distribuição de jogos, o Steam, que funciona extremamente bem. Jogos são vendidos a preços justos, e quem paga por eles têm acesso a chats, jogos em rede e outras funções que todo jogador procura. Vale a pena pagar pelo serviço deles, e além de se erguerem com títulos como “Counter Strike” “Half Life”, também ajudaram empresas indies de jogos a venderem seus interessantes títulos a um público maior.

E foi Gabe Newell, diretor gerente da Valve, que afirmou que pirataria é um “problema de serviço” em entrevista ao site Cambridge Student. Confira trechos dessa entrevista.

O Steam é um conjunto de ferramentas e serviços que permitem que os criadores de conteúdo digital tenham um relacionamento com um público mundial. Isso inclui suporte, distribuição, comunicação, vendas e assim por diante. […]

Nosso sucesso vem da certeza de que ambos os clientes e parceiros (por exemplo, Activision, Take 2, Ubisoft …) sintam o valor de nossos serviços, e que eles podem confiar em nós para não tirar proveito da relação que temos com eles. […]

Em geral, pensamos que há um equívoco fundamental sobre a pirataria. A pirataria é quase sempre um problema de serviço e não um problema de preços. Por exemplo, se um pirata oferece um produto em qualquer lugar do mundo, 24 horas por dia, 7 dias por semana, comprável da conveniência de seu computador pessoal, e o provedor legal diz que o produto é bloqueado por região, chegará ao seu país apenas 3 meses após o lançamento nos EUA , e só podem ser comprados em uma loja de tijolo e argamassa, o serviço pirata torna-se muito mais valioso. A maioria das soluções DRM diminuem o valor do produto diretamente por restringir o uso ou clientes, criando incerteza.

Esse último trecho combina perfeitamente com o mercado dos livros digitais, que já são dominados pelo DRM. Quando se é muito mais conveniente entrar em qualquer site de downloads ilegais, ou fazer uma rápida busca pelo Google, porquê o cliente se sentirá compelido a adquirir o produto legalmente? Muitas vezes ele quer pagar pelo produto, quer dar o dinheiro justo pelo trabalho de todos, mas o esforço para fazer isso é tão grande que acaba não valendo a pena.

Além disso, o DRM trata o consumidor honesto como se ele fosse o criminoso. Porquê a pessoa que baixou o produto ilegalmente pode lê-lo onde quiser, emprestar a amigos, fazer cópias de segurança, entre outras vantagens, enquanto ele não pode? Enquanto ele fica restrito a muros?

Na hora da compra é a mesma coisa. Porque a pessoa que baixou um eBook ilegalmente pode fazê-lo em 5 minutos, sem restrições ou problemas, enquanto que o consumidor honesto precisa preencher uma dezena de cadastros, clicar em centenas de botões para finalmente poder ter seu livro? Newell fala a respeito disso:

Nosso objetivo é criar um serviço de maior valor do que os piratas, e isso tem sido tão bem sucedido para nós que a pirataria deixou de ser um problema para a nossa empresa. Por exemplo, antes de entrar no mercado russo, fomos informados de que a Rússia era um desperdício de tempo, porque todos iriam piratear nossos produtos. A Rússia está agora prestes a tornar-se nosso maior mercado na Europa.

Gabe Newell é diretor de uma das empresas mais bem sucedidas de jogos do mundo. Há algum motivo para não darmos ouvido a ele?

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

da Redação

Para entrar em contato com a redação do Revolução eBook, escreva para sac@simplissimo.com.br

SimplíssimoEmpresa de Jogos Considera Pirataria um Problema de Serviço

Comments 1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.