O ereader de 1935

Eduardo MeloAtualizado em: Ebooks 2 Comments

Essa imagem circula na rede de tempos em tempos, mas nunca lembrava de colocar aqui no Revolução.

O desenho deste curioso aparelho saiu edição de abril de 1935 da revista “Everyday science and mechanics”, sob o título “o leitor de livros do futuro” – um aparelho montado em um suporte que parece, aos olhos de hoje, com uma televisão antiga. Como comenta o Mail Online, não se sabe se o aparelho foi realmente desenvolvido.

A grande pergunta é a seguinte: como as editoras fariam para colocar DRM nos microfilmes? Usariam marca d’água? Carimbo…?

ereader de 1935

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

Eduardo Melo

Eduardo Melo é fundador da Simplíssimo e seu diretor-executivo desde 2010. É licenciado em História e Mestre em Teoria da Literatura.

SimplíssimoO ereader de 1935

Comments 2

  1. Talvez dessa ideia tenha nascido os retroprojetores. Pensar em usar algum tipo de DRM em tal aparelho só seria viável se a reprodução de microfilmes fosse fácil e barata a ponto de viabilizar a pirataria.

    Mas no caso, um DRM em forma de marca d’água seria tão eficaz quanto aquele aviso impresso em todos os livros avisando ser crime a reprodução não autorizada dos mesmos.

  2. Pingback: Em 1949, professora inventou um precursor do ereader | Sistema de Bibliotecas UCS - Blog

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *