Kindle no Brasil – Coisas Que Você Precisa Saber

Eduardo MeloAtualizado em: Ebooks 19 Comments

(atualizado em 07/09/2012)

A Amazon oferece seu eReader, o Kindle, para mais de 100 países, incluindo o Brasil, desde outubro de 2009. Para tanto, foi firmado um acordo com a empresa de telefonia americana AT&T, que vai utilizar sua rede global de roaming 3G para tornar tudo possível. Sem delongas, vamos ao que importa.

Como Comprar e Quanto Custa

O novo Kindle Paperwhite, lançado em 06 de setembro de 2012 – tecnologia proprietária de iluminação é elogiada pelos sites especializados em gadgets

Todas as compras devem ser feitas via Amazon.com. As versões do Kindle atendem vários bolsos:

  • US$ 89 na versão mais barata (saiba mais), Wi-Fi apenas, sem iluminação, e na versão internacional que não tem publicidade embutida.
  • US$ 139 na versão Kindle Paperwhite (saiba mais) (WiFi, com luz embutida), US$ 199 (Paperwhite 3G).
  • Ainda há também o Kindle 3G Keyboard por US$ 179, o aparelho é de 2011 mas seguirá à venda por enquanto.
  • Na modalidade tablets, os Kindle Fire não são vendidos para o Brasil (somente EUA e Inglaterra, a partir de outubro/2012), com valores entre  US$ 159 (Fire primeira versão) até US$ 499 (top de linha com 8,9″ e 4G). O velho Kindle DX, que tinha tela maior, está descontinuado.

É importante lembrar que, enquanto a Amazon não operar diretamente no Brasil, ela recolhe no ato da compra o valor do imposto de importação, para que o mesmo seja pago de prontidão e sua entrega agilizada — o que quer dizer que o Kindle vai chegar mais rápido, mas também que é garantido de se pagar 60% de imposto de importação. Além disso, a Amazon também recolhe o ICMS, de modo que o valor da sua compra irá dobrar. Mesmo assim, o preço final ainda fica razoável. Imagine que no começo, em 2009, o preço batia em quase R$1000,00… o Kindle está bem mais barato hoje em dia.

Uma alternativa é comprar o Kindle versão internacional em solo americano, pessoalmente ou via um conhecido, e trazê-lo na bagagem ou mesmo na mão, efetivamente evitando qualquer imposto de importação. Isso porque esse modelo internacional do Kindle, que você pode comprar pela Amazon e receber na sua casa no Brasil, é o mesmo aparelho sendo oferecido para todos os países, inclusive para americanos que querem um Kindle para quando eles estiverem fora do país.

A Pegadinha: O Que Não Foi Dito

Cada download feito pelo Kindle custa um adicional de US$1,99, hoje uns R$3,60. Isso mesmo, cada um, além do preço do livro. Isso inclui os casos em que você apenas quer refazer o download de um livro que já havia comprado: paga a taxa mais uma vez. Isso vale para qualquer lugar fora dos Estados Unidos, inclusive para americanos que estiverem fora do país.

Claro, isso se aplica quando fazendo a compra ou o download direto do Kindle, de onde quer que você esteja. Não há nenhum custo, fora o preço do livro, caso você compre pelo computador e transfira via USB para o Kindle, como acontece com quase todo eReader atual.

O Que Nós Temos

Há um catálogo com mais de 1,2 milhão de ebooks em língua inglesa, e cerca de 6 mil em português. Mais de 100.000 estão abaixo de U$ 6 e o preço dos livros restantes fica na média de U$ 12.

Já existe a possibilidade de publicar independentemente um livro no Kindle Store. Qualquer brasileiro com uma conta na Amazon pode fazer isso por meio do serviço Direct Publishing. A Amazon paga 35% das vendas ao autor.

Com o Kindle, também há a possibilidade de carregar documentos pessoais em formatos como PDF, grátis se feito via USB (intermédio do computador), ou por uma taxa de U$1 por megabyte via wireless 3G, o que pode sair bem caro. Neste método wireless, você envia o documento para um email da Amazon, e eles entregam-no formatado no seu Kindle, bom para carregar para o Kindle anexos de emails quando em um cybercafé. Esses arquivos também ficam guardados em sua conta no site da Amazon.

O Que Nós Não Temos (Ainda)

Alguns títulos não estão disponíveis para consumidores brasileiros. Isso se deve a editoras que não podem, ou não querem oferecer suas obras fora dos Estados Unidos, prática mais comum do que gostaríamos.

Não temos acesso à leitura dos mais de 7.000 blogs que os americanos tem, cujas novas postagens são atualizadas automaticamente para o Kindle.

As taxas para ganho de autores no Direct Publishing ainda são internacionais, ou seja, não se ganha 70% de cada eBook vendido, e sim 35%.

O Que Mais Você Deve Saber

O Kindle usa um formato próprio, e com DRM, então os eBooks comprados da Amazon não são compatíveis com nenhum outro aparelho eReader. Entretanto, há aplicativos para do Kindle para quase qualquer plataforma como Windows, Mac, Android, iOS, BlackBerry, etc.

Ainda que disponíveis no iPhone e em outros celulares de última geração num futuro próximo, você não pode converter seus arquivos para nenhum outro formato, e a Amazon não dá nem sinal de suporte ao padrão internacional e livre, o ePub.

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

Eduardo Melo

Eduardo Melo é fundador da Simplíssimo e seu diretor-executivo desde 2010. É licenciado em História e Mestre em Teoria da Literatura.

SimplíssimoKindle no Brasil – Coisas Que Você Precisa Saber

Comments 19

  1. O texto acabou me deixando com uma dúvida. Essa taxa de download é cobrada quando baixamos um livro por wi-fi no Kindle? Ou somente quando usamos o 3G?

    Porque o download no computador é gratuito, né?

    1. A taxa já é inserida no livro na hora da compra por aqui, não importa em qual plataforma você esteja. Mesmo que você compre do seu PC, vai perceber que a versão internacional do livro é US$2 mais cara do que a vendida nos EUA.

  2. Cheio de pegadinhas o kindle, não? não me agrada esse excesso de taxas e regras, no entanto eles fazem um baita sucesso. Talvez o errado seja eu! 🙂

    1. Eles são uma opção de mercado. Existem outros, e escolhemos aqueles que nos fazem melhor. Como eles foram os primeiros a ter serviços internacionais decentes (e talvez ainda sejam os únicos), acabamos ficando à mercê deles…

  3. Não entendi a parte: “Não teremos acesso à leitura dos mais de 7.000 blogs que os americanos tem, cujas novas postagens são atualizadas automaticamente para o Kindle.”
    Tendo internet, não temos automaticamente acesso à blogs?

    1. Larissa, a Amazon dá o direito a uma espécie de “assinatura de blogs”, como se fosse a do jornal, só que de blogs. A esse serviço não temos acesso.

      1. Oi Adolfo. Para ler .doc, .pdf e .epub no Kindle, vai ser necessário converter antes no Calibre, ou converter através do próprio sistema da Amazon (aquele em que você envia um arquivo para a sua biblioteca, através do email deles). Abraço, Eduardo

  4. Prezados, o post é antigo mas gostaria de comentar a questão dos preços. No Brasil, o ebook não é considerado pela legislação livro, mas software então paga tributo, acredito que esse seja o motivo dos US$ 1.99 a mais em cada livro. A outra questão é do preço do Kindle em si. Em alguns Estados, como o Paraná, ainda há a incidência de ICMS, portanto, dependendo do Estado de destino do aparelho, incidirá 100% de tributos (IPI + ICMS) e não os 60% da matéria.

    1. Por enquanto, a única forma de comprar o Kindle no Brasil é pelo site da Amazon, mesmo. Ele não é vendido em nenhuma loja no Brasil. Quem vende o Kindle em esquemas de compra coletiva, faz isso de forma independente e esporádica. Abraço, Eduardo

  5. A garantia do Kindle é internacional como a do IPhone? Caso o Kindle comprado fora do Brasil apresente defeito a Amazon sevresponsabiliza?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *