Kindle

Os eReaders Estão Mortos Para os Desenvolvedores?

da Redação Notícias 3 Comments

O site Publishing Perspectives traz uma pesquisa simples questionando seus leitores a respeito dos eReaders, aqueles com tela de tinta eletrônica.

O questionamento é feito após a divulgação da notícia da chegada do Iba, nova plataforma de distribuição e venda de conteúdo da Abril. Conforme informado, não há qualquer menção sobre suporte a eReaders no site. Tudo deve ser baixado e lido em tablets ou computadores, até mesmo os livros.

Edward Nawotka nota que esse é um comportamento que vem sendo adotado por países em desenvolvimento, como China e Brasil: estão deixando eReaders de lado e adotando apenas tablets, aparelhos multifunção que economizam dinheiro na compra contra um aparelho apenas para leitura como um Kindle.

Aqui no Brasil, isso é agravado pelos altos preços que os eReaders são oferecidos em lojas. Os impostos de importação fazem com que eles custem às vezes o mesmo valor de um tablet mais barato e, na hora de escolher, claramente o brasileiro prefere um aparelho em que também poderá navegar na internet, jogar e assistir a filmes.

Entretanto, não acho que esse seja o fim dos eReaders. No Estados Unidos eles são muito populares e estão com preços bem abaixo dos tablets, chegando a US$75. Lá é bem mais plausível a compra de aparelhos monotarefa, com preços mais baixos e mais disponibilidade de modelos.

Ainda acho que há um bom mercado para os eReaders, e acredito que com o tempo eles ficarão ainda mais baratos, tornando a leitura digital mais acessível ainda.

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

da Redação

Para entrar em contato com a redação do Revolução eBook, escreva para sac@simplissimo.com.br

SimplíssimoOs eReaders Estão Mortos Para os Desenvolvedores?

Comments 3

  1. Quem está perdendo, no meu caso, é o IBA.
    Não tem versão para Android (está prometido), nem Linux, nem Kindle.
    Estou fora. Não devo comprar nada lá.
    Até gostaria de eventualmente comprar a Runner’s World por lá. Mas se não tem nas plataformas que uso para ler (e não leio no computador), estou fora.

  2. O ereader está mais vivo do que nunca. O problema é que ninguém sabe como enfrentar a Amazon que está chegando aqui. Posso facilmente raquear um Tablet como, por exemplo, o Nook Tablet e fazê-lo rodar aplicativos como o Amazon Reader ou o programa da Livraria Cultura. Como sugestão fica a leitura da seguinte matéria: http://blogkindle.com/2012/03/why-amazon-the-kindle-deserve-to-be-dominating-bookselling/

    E para quem acha que isso é coisa de hacker, há lojas on-line vendendo o micro SDCard que desbloqueia o Nook, sem perda da garantia, diga-se de passagem.

    O verdadeiro problema é o roubo que é o preço do leitor nacional. Em média R$700,00. Agora, se o Kindle realmente chegar por R$ 150-200,00 passa a ser um preço que, com a leitura de 2 ebooks por mês, no fim de um ano, o aparelho já está pago. Eu que devoro livros poderia comprar um Kindle a cada quatro meses. Tenho o meu há 2 anos. Desde então estou no lucro. Sem falar no frete desses livros todos, extravios dos Correios etc.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.