eReaders: Quatro Motivos Para Não Possuir Touchscreen

03/10/2011
 / 
por Leitor
 / 

O sucesso dos smartphones, e após, das tablets, comprova que o touchscreen é uma tecnologia que chegou para ficar (ao menos por um bom tempo). A possibilidade de “tocar” o ícone do aplicativo que se deseja executar entre outras muitas aplicabilidades possíveis graças às telas sensíveis à toque, tornaram a utilização destes dispositivos muito mais ágil e simples.

Mas, em se tradando de eReaders, o que importa, antes de tudo, é a experiência de ler (obviamente). E, considerando apenas a leitura, é interessante que eReaders possuam telas touchscreen ou esta funcionalidade terminaria por prejudicar a experiência do leitor?

Há quem defenda que as telas sensíveis à toque possibilitem a existência de funcionalidades como o “arraste” de páginas, imitando um livro físico, entre outras coisas. Mas aqui eu quero apontar alguns problemas que esta tecnologia podem trazer para quem deseja, nada mais, nada menos, que ler um bom livro.

1 – Como tocar a tela resulta em executar alguma ação, o leitor fica limitado a segurar o dispositivo pelas bordas, o que pode ser cansativo a depender das dimensões deste.

2 – A necessidade de tocar a tela constantemente para executar as ações termina por sujá-la excessivamente, o que pode incomodar o leitor, obrigando-o a limpar a tela regularmente.

3 – Um toque acidental na tela pode interromper o clímax da leitura.

4 – Por último, mas não menos importante, telas touchscreen encarecem o dispositivo…

por Luis Vasquez, da Livrobook.

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

03/10/2011
 / 
por Leitor
 / 

O sucesso dos smartphones, e após, das tablets, comprova que o touchscreen é uma tecnologia que chegou para ficar (ao menos por um bom tempo). A possibilidade de “tocar” o ícone do aplicativo que se deseja executar entre outras muitas aplicabilidades possíveis graças às telas sensíveis à toque, tornaram a utilização destes dispositivos muito mais ágil e simples.

Mas, em se tradando de eReaders, o que importa, antes de tudo, é a experiência de ler (obviamente). E, considerando apenas a leitura, é interessante que eReaders possuam telas touchscreen ou esta funcionalidade terminaria por prejudicar a experiência do leitor?

Há quem defenda que as telas sensíveis à toque possibilitem a existência de funcionalidades como o “arraste” de páginas, imitando um livro físico, entre outras coisas. Mas aqui eu quero apontar alguns problemas que esta tecnologia podem trazer para quem deseja, nada mais, nada menos, que ler um bom livro.

1 – Como tocar a tela resulta em executar alguma ação, o leitor fica limitado a segurar o dispositivo pelas bordas, o que pode ser cansativo a depender das dimensões deste.

2 – A necessidade de tocar a tela constantemente para executar as ações termina por sujá-la excessivamente, o que pode incomodar o leitor, obrigando-o a limpar a tela regularmente.

3 – Um toque acidental na tela pode interromper o clímax da leitura.

4 – Por último, mas não menos importante, telas touchscreen encarecem o dispositivo…

por Luis Vasquez, da Livrobook.

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

  1. Eu acho que um botão de travar a tela resolveria o ponto um e três. Um botão de travar e outros de passar a página, como o Nook Touch, resolveria o segundo ponto. O ultimo ponto é questão de tempo para ser resolvido… quando as telas touch forem padrão e as não-touch forem as exceções, o preço se inverterá. Acho o touchscreen importante porque uma grande área é melhor aproveitada tirando-se o teclado físico.

Deixe um comentário