Pirataria

Na França, Lei Diminui Pirataria, e as Vendas Caem

da Redação Ebooks, Notícias 4 Comments

A notícia saiu no site TorrentFreak:

Um novo relatório sobre a eficácia da lei anti-pirataria diz que conseguiu reduzir a pirataria na Internet pela metade do ano passado. Enquanto os lobistas estão fazendo preparativos para mostrar esses grandes resultados para os políticos em todo o mundo, há uma coisa que o relatório não menciona. Apesar da alegada diminuição na pirataria, a receita através dos canais legais para obtenção de conteúdo caiu também. Isso é estranho, porque em anos anteriores, essas perdas foram atribuídas unicamente à pirataria.

Como dizem por aí, o mundo ficou pequeno para aqueles que, segundo o artigo, culpam a pirataria pela perda de vendas. Há relatos de queda de 3,9% na indústria musical francesa, e 2,7 na indústria cinematográfica.

Fica a pergunta: estaria a pirataria prejudicando ou incentivando as vendas? Será que a indústria, ao ver a pirataria ser cortada pela metade no país, achou que não precisava investir em novas tecnologias ou divulgação, pensando que o mercado cresceria naturalmente sem os downloads ilegais?

Para publicar seu livro em ebook ou impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Nossos números são difíceis de bater: desde 2010, a Simplíssimo comercializou mais de 1 milhão de exemplares e publicou mais de 1.000 ebooks e livros impressos. Veja como funciona a publicação para seu livro, aqui.

 

SimplíssimoNa França, Lei Diminui Pirataria, e as Vendas Caem

Comments 4

  1. Interessante isto. Bem ou mal, a liberdade de baixar tudo cria uma base de fãs que, muitas vezes, vira fã e cliente. A pirataria me incentivou a comprar um Xbox 360 para, menos de um ano depois, resolver me voltar para as importações e largar a pirataria, comprando outro console, travado. A pirataria trouxe um consumidor para a Microsoft, fazendo a Sony perder um cliente. E mesmo na época em que eu tinha jogos piratas, eu comprava conteúdo digital, pois não existia acesso em disco. Quer dizer, a coisa é bem mais complexa e deve haver muitos casos assim como o meu.

  2. Uma questão que eu queria ver respondida: se a pirataria fosse extinta, em qualquer segmento; qual seria a porcentagem de pessoas que migrariam para o produto legal e qual a porcentagem que desistiria do consumir o produto legal porque ele é caro demais ?

  3. As gravadoras e os músicos maisntream devem começar a investir em qualidade de conteúdo. Isso não é só uma questão tecnológica. Eu ouço muita música (samples da iTunes Store, por exemplo), mas não tenho vontade de comprar nenhuma dessas bandas e músicos novos. São tão homogeneizados que se perdem em identidades que não são deles. Parei de baixar conteúdo ilegal faz tempo, porém também compro pouquíssima mídia paga, pois o que oferecem está muito aquém do valor que cobram. Estes dias tinha uma música grátis de uma banda dessas novas pra baixar de graça no iTunes Store. Mas nem de graça eu baixei. Se gravadoras e artistas não revolucionarem em seus conteúdos, oferecendo entretenimento de qualidade, o fim da pirataria só fará com que seus conteúdos fiquem “encalhados” em algum servidor, rs.

  4. Se essa correlação se comprovar, é um fato bastante interessante.

    Porém, é errôneo dizer que a queda das vendas dos livros impressos sejam causadas pelo fim da pirataria. Uma infinidade de outros fatores podem ter influenciado essa queda, como por exemplo, uma tal de crise econômica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *