França pode pagar multa por reduzir imposto sobre e-books

Nina Sarti Ebooks, Notícias 1 Comment

Na semana passada, saiu a notícia de que o novo governo francês cortara o VAT (Value Added Tax, ou Imposto sobre Valor Agregado) sobre os e-books de 7% para 5.5%. A redução foi anunciada pela Ministra da Cultura do país, Aurélie Filippetti, como uma das medidas que ajudaria livrarias – especialmente as independentes – a se adaptarem às vendas digitais. Afinal, se competir com as grandes lojas em termos de preço já é difícil, imagine tendo que pagar um imposto de 7% enquanto a Amazon, por exemplo, hospeda suas operações europeias em Luxemburgo, onde a taxa é de apenas 3%.

Acontece que a situação da França já nem era das piores: a maioria dos demais países da União Europeia cobra VAT sobre e-books em torno de 20%. A diferença motivou um processo da UE contra França e Luxemburgo, já que a aplicação de taxas reduzidas seria incompatível com as regras do bloco econômico. Segundo matéria publicada na Folha, “Sob as leis da UE, governos podem aplicar taxas VAT reduzidas a uma lista limitada de bens e serviços que inclui livros, mas atualmente não e-books”.

Essa discussão não é nova. No último Congresso CBL do Livro Digital, o diretor da Associação Portuguesa de Editoras e Livreiros, Henrique Mota, já alertava para o problema: se o imposto sobre o livro eletrônico é mais de três vezes maior do que o cobrado sobre o impresso (20% contra 6%), significa que a editora é obrigada a promover um desconto enorme no e-book para que seu preço final fique cerca de 30% menor do que o do impresso, uma política difícil de manter a longo prazo.

Atualmente, a Comissão Europeia considera a possibilidade de incluir os e-books entre os produtos sujeitos a impostos reduzidos, mas dificilmente alguma resolução sairá antes do fim do ano que vem. Enquanto isso, França e Luxemburo têm um mês para apresentar suas justificativas perante a Comissão; caso não deem respostas satisfatórias, podem ter que pagar multas. Afinal, ao que parece, o que está isento de impostos é o papel, e não seu conteúdo.

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

Nina Sarti

Nina Sarti é aspirante a jornalista e apaixonada por literatura – no papel desde sempre, e na tela desde o seu primeiro e-reader, que leva por aí para mostrar às pessoas que e-book não é nenhum bicho de sete cabeças.

SimplíssimoFrança pode pagar multa por reduzir imposto sobre e-books

Comments 1

  1. Isto apenas mostra, mais uma vez, qual é a natureza da interferência estatal na economia: criar dificuldades para barganhar facilidades. (Facilidades estas que não são senão a retirada das dificuldades criadas pelo próprio governo.) Uma economia totalmente planejada pelo Estado é impossível simplesmente porque, para que isto ocorresse, o Estado teria que dizer qual é o preço de todas as coisas e, como sabemos, existem infinitas coisas neste mundo. E é por isso que é o mercado — o conjunto de todos nós, produtores, vendedores e consumidores — o único a poder dar preço às coisas. Se há um desequilíbrio inicial, uma vez que ebooks são uma novidade para a civilização, em breve a dinâmica natural irá colocar as coisas em seus devidos lugares. As pessoas precisam entender que impostos, protecionismo e todas essas besteiras não levam, nunca levaram e nunca levarão a nada.

    Aliás, a comunidade europeia já se tornou um Estado ditatorial não-representativo que apenas alguns poucos, como Nigel Paul Farage, ousam denunciar:

    http://www.youtube.com/watch?v=c0QuYI6bK3g

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.