HarperCollins Pode Incluir Propaganda em eBooks – o Livro Vai Perdendo Sua Aura Sagrada

Eduardo Melo Notícias Deixe um comentário

Essa parece ser ainda uma especulação pura e simples, e a ideia nem é tão nova (Amazon e Kobo já fazem a mesma coisa, só que nos eReaders). Mas a editora HarperCollins, uma das maiores editoras de língua inglesa, considera ela mesma a possibilidade de incluir propagandas dentro de seus eBooks. O TeleRead destacou o comentário do diretor e editor David Roth:

Certain kinds of books create immersive reading experiences whereby ads would be too interruptive for readers, and publishers and even advertisers aren’t likely to put a premium on that. But information books, for example a Collins birds guide, could provide very valuable real estate for contextual advertising – in this case potentially a binoculars manufacturer.

Como o Chris Meadows do TeleRead comenta, é algo que já funciona para revistas…

A grande barreira cultural/intelectual que nós enfrentamos, neste caso, é uma coisa que Walter Benjamin explorou muito profundamente (e eu só vou arranhar a superfície aqui): a “aura” da obra de arte, o seu caráter de coisa “sagrada”. Para muitas pessoas, um livro é um objeto sagrado. Incluir publicidade, dentro dele, em meio a seu conteúdo, seria o equivalente a profanar esse status, tornar ele algo banal. Mesmo que a propaganda fosse claramente separada e diferenciada do resto do conteúdo, sua simples presença já seria considerada ruptura.

Isso é um problema para quem enxerga o livro como algo sacro, que deveria permanecer livre, digamos, de um “secularismo publicitário”. O “livro”, objeto e conceito, está se tornando efetivamente um produto realmente massificado com a popularização da leitura digital. Se há 60 anos era um processo trabalhoso – e em boa parte muito manual –, hoje a situação mudou radicalmente e uma pessoa só precisa saber ler, escrever e ter acesso à Internet para publicar e vender livros. Estamos todos a um clique, toque ou suspiro de distância de quase todo o conhecimento já escrito pelo homem. Com esse progresso todo, as empresas tradicionais que publicam livros precisam se virar para sobreviver, e bem… acabam encontrando soluções típicas do nosso mercado massificado e tecnológico, como a publicidade dirigida, associada a certos conteúdos.

A questão, a meu ver, não se resume em ser contra ou a favor disso. O processo é inevitável, e ele já está acontecendo, o livro está perdendo a “aura” do Walter Benjamin. A questão é tentar enxergar mais longe e ver onde isso nos leva, quais as oportunidades e as ameaças que isso traz para quem trabalha na área, e de um modo mais amplo, para a sociedade como um todo.

Eu penso que, na teoria, a troca é justa: o livro se torna um produto de massas, perde a aura de vaca sagrada, e mais pessoas ganham acesso à leitura. O que deveria nos preocupar é se os leitores, quando a leitura se tornar definitivamente um fenômeno digital, ainda terão o mesmo poder de escolha que têm hoje. Será que a leitura digital terá competição livre, com várias empresas competindo pela atenção dos leitores, ou será um mercado em que poucas empresas selecionam e decidem o que as pessoas devem ler?

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

Eduardo Melo

Eduardo Melo é fundador da Simplíssimo e seu diretor-executivo desde 2010. É licenciado em História e Mestre em Teoria da Literatura.

SimplíssimoHarperCollins Pode Incluir Propaganda em eBooks – o Livro Vai Perdendo Sua Aura Sagrada

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.