IDPF Logo

IDPF Propõe Alternativa ao DRM, Comentários Abertos até dia 08/06

Eduardo Melo Ebooks, Notícias 1 Comment

Um grupo de trabalho no IDPF fez uma análise do impacto das soluções atuais de DRM e verificou o que nós já sabíamos, ou seja, DRM cria mais problemas, do que resolve. O extenso relatório traz uma análise realista sobre a viabilidade das soluções de DRM atuais, e seus impactos negativos no desenvolvimento do mercado de ebooks. Um trecho:

A maioria das grandes editoras segue exigindo DRM em seus acordos de distribuição de eBooks, e os varejistas utilizaram o DRM para promover o “lock-in” em suas plataformas. A falta de um padrão DRM levou à fragmentação do mercado, em que diferentes varejistas usam sistemas incompatíveis entre si, vinculados a certos dispositivos de leitura de eBooks ou aplicativos.

Enquanto isso, as atitudes com relação ao DRM mudaram recentemente, com o rápido aumento de popularidade e leitura atraindo mais atenção para o caso. Há um reconhecimento crescente entre os editores que o DRM tem aspectos que atuam contra os seus interesses, incluindo a sua falta de facilidade de uso e distribuidores de eBook que usam a tecnologia para “trancar” os consumidores. Certos segmentos da indústria editorial estão começando a concluir que poderiam estar melhor sem o DRM, enquanto outros insistem em manter ou até mesmo reforçá-lo.

A principal conclusão foi a necessidade de ser desenvolvido um sistema de proteção dentro do ePub, nativo, que seja mais simples para o usuário e ofereça mais opções às editora. Partindo dessa análise, o relatório propõe perseguir um meio-termo, que seria uma proteção mais leve (um standard lightweight DRM) para o ePub:

  1. Um método padrão de proteção de conteúdo eBook que se torne amplamente adotado aumentaria a interoperabilidade, melhoraria algumas das limitações de facilidade de uso em DRMs atuais, e poderia promover uma adoção mais ampla de leitura digital.
  2. Como explicado abaixo, é possível definir um DRM que facilite outras restrições de utilização, como um nível razoável de compartilhamento.
  3. O DRM é mais amplamente aceito como útil em modelos de negócios não-varejistas, como empréstimos de bibliotecas; seria útil ter um padrão DRM para usar nestes cenários, pelas razões expostas no item 1 acima.
  4. A criptografia leve similar à usada no PDF (que não é necessariamente considerada “DRM”) permitirá aos autores de conteúdo a capacidade de proteger o conteúdo EPUB contra utilizações não autorizadas, facilitando a transição de PDF para EPUB em alguns cenários empresariais de distribuição de documentos [easing the transition from PDF to EPUB in some ad hoc / enterprise document distribution scenarios].

Portanto, se você tem sugestões de recursos que sejam importantes na sua opinião, e não tenham sido relacionados no relatório, apresente suas sugestões para o IDPF até dia 08/06, enviando mensagem para o email membership arroba idpf.org.

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

Eduardo Melo

Eduardo Melo é fundador da Simplíssimo e seu diretor-executivo desde 2010. É licenciado em História e Mestre em Teoria da Literatura.

SimplíssimoIDPF Propõe Alternativa ao DRM, Comentários Abertos até dia 08/06

Comments 1

  1. O DRM menos seguro era usado pela Sony em seu antigo formato proprietário, mas era ridiculamente fácil de quebrar e piratear. Foi por isso que ele foi abandonado. Por outro lado, editores, como Tim O’Reilly, que não colocam DRM em seus ebooks e os oferece em todos os formatos possíveis, dizem que não sofreram qualquer prejuízo pela falta de DRM. Ao contrário, dizem que as vendas aumentaram.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.