Livraria Saraiva estreia serviço de auto-publicação de eBooks

Eduardo Melo - Simplíssimo Ebooks, Mercado 17 Comments

Antes tarde do que nunca. A maior rede de livrarias brasileira colocou no ar – aparentemente na surdina – seu serviço de auto-publicação, que foi batizado pela Livraria Saraiva com o sugestivo nome de “Publique-se!”.

O serviço da Saraiva permite que o autor envie seu material em formato Word, para ser transformado automaticamente em ebook e colocado à venda logo depois. Enquanto esta parte do serviço é gratuita (e certamente irá atrair muitos autores iniciantes), a remuneração pelas vendas é baixa – apenas 35% das vendas irá para o autor. Em termos de comparação, é o mesmo percentual oferecido pela Amazon, mas apenas metade do que a Apple paga aos autores que vendem por lá.

A Livraria Saraiva não pedirá exclusividade e ainda permitirá que o próprio autor opte (ou não) por vender seu livro com DRM. Os ebooks serão vendidos em uma ampla variedade de formatos, desde os mais conhecidos ePub, PDF e Mobi, até os mais obscuros, segundo explica um documento do novo serviço.

Autores interessados devem ter seu livro já pronto, em Word e com capa, para colocar à venda na Livraria. Confira a página do Publique-se!

Para publicar seu livro em ebook ou impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.000 autores e editoras. Veja como funciona a publicação para seu livro, aqui.

 

SimplíssimoLivraria Saraiva estreia serviço de auto-publicação de eBooks

Comments 17

  1. Francamente, já é um começo. Se é bom ou ruim, eu não saberia dizer. O fato é que, antigamente, a comissão do autor era de até 10%. Se fossem dois autores, ganhariam apenas 5%. Então, 35% já é alguma coisa a mais. Se os custos forem considerados quase ínfimos, então seria de se pensar 50%.

  2. O sistema deles é burocrático, parece que você tem que imprimir o contrato, duas pessoas tem que assiná-lo, reconhecer firma e mandar pelo correio para eles. Desanimei.

    1. Na verdade, Helloyn. Não tem nada disso não. O contrato você aceita lá no site mesmo. Sem assinatura.

  3. Exatamente, Helloyn: embora vivamos numa Era Digital, os caras estão na Idade da Pedra do cartório! Recebi um email deles dias atrás e comecei meu cadastro, mas, quando vi que seria necessário imprimir um contrato, autenticar em cartório e enviá-lo pelo Correio — ahahaha — desisti. Nunca ouviram falar do “princípio do menor esforço”? Um ou dois anos atrás, quis vender meus ebooks pelo Gato “Sabido” e me deparei com a mesma “sabedoria”. Desisti também. (Alguém realmente liga para o Gato “Sabido” hoje?) Amazon e Kobo, por exemplo, que vêm de países menos burocráticos, não sofrem desse vício perverso que atravanca o Brasil. Devemos ser um dos únicos países do mundo em que a iniciativa privada morre de inveja da burrocracia estatal e tenta imitá-la a todo custo.

    1. Yuri e Helloyn, tudo bem? Pesquisem a Lei do Livro e a Lei de Direitos Autorais brasileiras, e vocês irão descobrir que um contrato impresso e assinado é requisito legal para uma editora ou empresa publicar e vender livros no Brasil, que sejam de autoria de terceiros. O Brasil é burocrático? Certamente. A culpa é das empresas? Não, elas são obrigadas a seguir a legislação feita por Brasília.

      1. Eduardo, você não entendeu: o problema não é o contrato, o problema é ter de autenticá-lo em cartório! Eu publiquei meu primeiro livro em 1998 por uma editora de Campos do Jordão, com contrato e tudo mais — mas nenhum cartório participou da transação! Hoje, vendo meus ebooks na Amazon, na Kobo Books e no Google Play, e também livros impressos na Agbook e no Clube de Autores: em todos eles, o contrato não é senão um formulário que você preenche online. Agora, cá entre nós: cartório?! Isso é da idade da pedra, meu caro! A Saraiva quer que eu vá até um cartório e depois envie a papelada pelo Correio. Quantos ebooks terei de vender posteriormente para compensar essa perda de tempo e de dinheiro? Brasileiro tem de parar com essa mania de burocracia, essa mania de cartório. (Aliás, um cartório chegou a autorizar a venda ilegal de um terreno meu cinco vezes! Algum trambiqueiro revendeu meu terreno com a ajuda de um cartório! Ou seja: que garantia, que segurança real um cartório oferece? Nenhuma!) Anos atrás, fiz a redação de uma cartilha do Procon-DF e descobri, não sem algum espanto, que qualquer um pode pegar um papel, uma caneta e discriminar os serviços que um pedreiro ou encanador irá fazer em sua casa. Você então faz o pedreiro ou encanador (ou sei lá qual profissional) assinar o papel e — pimba! — você tem em mãos um contratro que deve ser respeitado por ambas as partes e que pode ser levado ao Procon caso não seja cumprido. E — detalhe — sem precisar ser autenticado em cartório! Enfim, a Saraiva precisa se tocar de que ou ela moderniza esse contrato ou irá perder parceiros. Obrigado pela resposta!

  4. Isso é ótimo… Publicar e-book é muito importante para os autores e essa iniciativa é simplesmente fantástica!
    Espero conseguir colocar o meu e-book nessa horada empresa…

  5. Tenho 03 livros impressos. Cada um publiquei com 1.000 exemplares. Eu paguei a impressão. Não fui atrás de patrocinador. Já assinei contrato com uma editora digital, mas até agora não tive coragem de mandar os originais.

    É interessante o que Yuri Vieira fala. E vejam, os Estados Unidos já tem a venda de e-books superando os impressos. Um professor de 70 anos, perguntou se eu acreditava que o impresso iria sumir do mercado. E, respondi, tão logo não. Mas creio que o formato digital veio para salvar nossas árvores em todo o planeta. Brevemente não mais teremos ( E tomara, que seja logo )árvores derrubadas para fabricação de papel.

    A era digital veio para agilizar os processos de desenvolvimento. E precisamos de publicação de livros digitais logo.

    Chega de contratos burocráticos suspeitos.

    Um abraço a todos.

  6. Eu publiquei meu livro e não tive que fazer nada disso. Só preenchi o formulário e enviei o material com a capa. Já ta a venda na Saraiva. Se chama O Sorriso do Amazonas.

  7. Boa noite , eu tenho três livros de Poemas pela Publique – se , tudo bem ainda não consegui ver como posso controlar as vendas , saber o quanto foi vendido , espero que o próximo eu já tenha plenamente resolvido essa questão , eu gosto do digital , é melhor para nós , não mexemos na Mãe Natureza , talvez em Fevereiro eu já tenha concluído o meu quarto livro de poemas e o colocado no Publique – se . .

  8. Gente. Eu publiquei meu livro sem fazer essa burocracia toda. Eu acho que a questão é que vocês não são cadastrados no site da Saraiva. Deve ser isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.