Biscoito da sorte

Livro Digital: Tendências

da Redação Autores, Ebooks, Notícias 1 Comment

Aqui vamos nós para o que um chefe meu uma vez chamou de futurologia, a arte de adivinhar o que virá a seguir. Observamos muitos passos em direções diferentes no mercado editorial digital e, fora a estratégia canibalizadora da Amazon, nenhuma outra parece ter dado totalmente certo.

Porém, algumas notícias aqui e ali revelam que o futuro parece ser composto de alguns itens e tendências que ainda estão em seu início, mas que nos próximos anos podem se revelar muito úteis e muito eficientes em relação ao eBook. Vamos à minha humilde opinião.

Vendas de livros menores, capítulos, páginas, contos

Essa tendência começa a se espalhar aos poucos. A Amazon já captou o sucesso dos seus Kindle Singles, e outras livrarias estão fazendo isso. Vender livros menores é uma boa ideia, porque podem ser comercializados a preços mais baixos e estimulam a compra daqueles que ainda estão em fase de experimentação.

É também uma oportunidade para autores independentes, que podem mostrar seu trabalho de forma breve, e oferecer diversos livros com assuntos diferentes. Editoras podem ter um cronograma mais dinâmico trabalhando com obras menores. E já foi provado que quem lê na internet nem sempre tem paciência para ler grandes textos. A escolha de um livro mais curto e que se resolve mais rapidamente pode ser uma alternativa.

E para estudantes, acadêmicos e outros interessados, haverá a oportunidade de adquirir capítulos ou páginas de um livro. A economia dessa possibilidade é sem tamanho para um acadêmico que está no meio de sua tese e precisa de capítulos de 20 livros, mas não pode comprar todos eles. Já temos projetos similares em andamento no Brasil, como o Minha Biblioteca. Isso pode levar cultura e educação a muitos que não podem gastar demais.

Assinaturas

Mais um assunto que já está rolando, mas ainda sem solução boa o suficiente. São muitos os serviços de assinatura de livros, e há sempre comparações com os serviços Netflix (para filmes) e Spotify (para música). Algo tem que existir com estabilidade o suficiente para o livro. A facilidade do acesso versus o desejo da propriedade.

A assinatura não dá o direito de compra de um livro ao consumidor, e sim o direito de lê-lo enquanto pagar pela assinatura. Muitos podem ver nisso uma boa ideia. Nem todos os livros que compramos gostaríamos necessariamente de guardar, e por isso tantos livros são doados. Livros de referência, livros técnicos e até ficções. Se o preço for mais convidativo do que adquirir livro por livro, porque não?

Economia é sempre importante, e se o leitor tiver acesso ao livro quando quiser lê-lo, é uma boa alternativa. A possibilidade de ter acesso a toda uma biblioteca também é atraente, e pode levar o cliente a explorar mais livros, conhecendo obras que jamais teria pensado em comprar, mas que como estavam acessíveis facilmente pelo plano de assinatura, decidiu experimentar. É uma das melhores ideias em que acredito.

Empréstimo de livros

O empréstimo de livros já é uma boa realidade nas bibliotecas dos Estados Unidos. Algumas coisas ainda precisam ser acertadas, como a participação das Big Six nessa história. Porém, já está se revelando um bom negócio, e deve se espalhar para outros locais nos próximos anos.

Será que aqui no Brasil daria certo? Nós mal temos bibliotecas, que dirá um acervo eletrônico. Mas talvez o livro digital seja justamente o agente que espalhe a leitura pelo Brasil, quem sabe? Há potencial para isso, ainda mais com a abrangência do PC nas casas brasileiras.

Nesse meio, também há o empréstimo de eBooks de pessoa a pessoa. Um dos maiores empecilhos para a aceitação do livro digital é o fato de que ele, em sua maioria, não pode ser emprestado depois de comprado. Conversas começam, amizades se iniciam e se mantém com empréstimos de livros. Há tanta gente pensando em como deixar o eBook mais social, mas e esse problema?

É bem provável que nos próximos anos encontremos uma alternativa melhor e mais flexível ao travado DRM, não há dúvida. E aí será possível emprestar seus livros digitais sem medo, e com muita liberdade, tudo dentro da lei.

eReaders venderão mais, mas tablets realmente reinarão

Eu adoro eReaders. Defendo com unhas e dentes. Mas, mesmo com os números de crescimento em vendas, já deu para perceber que o tablet será o líder em leitura digital. Primeiro porque o aparelho pode ter vários usos para seu proprietário, e depois porque é simplesmente mais prático ler em um tablet, que andará sempre com você, do que em um eReader, um aparelho apenas para leitura.

Mas leiam o que eu digo. Eu acho que, pelo menos aqui no Brasil, subestimam e muito a leitura de livros digitais em computadores e smartphones. São os objetos a que o brasileiro mais tem acesso e estão aí, prontinhos para receberem um livro. Smartphones e a internet de centavos por dia estão sendo usados em filas, ônibus, metrô, em qualquer lugar. Na minha opinião, é uma oportunidade que está sendo mal explorada, e que vai crescer timidamente nos próximos anos.

E você? O que acha que deve virar tendência para o eBook nos próximos anos?

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

da Redação

Para entrar em contato com a redação do Revolução eBook, escreva para sac@simplissimo.com.br

SimplíssimoLivro Digital: Tendências

Comments 1

  1. Não me surpreenderia se tudo isso realmente se concretizasse, e ficaria muito feliz se sim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.