Nem tudo que é bom para o Facebook, é bom para os demais

Eduardo Melo Notícias 1 Comment

Mark Zuckerberg considerou um erro ter usado HTML5 para desenvolver a versão mobile do Facebook, por ser lento demais para os usuários de iOS (iPad, iPhone). Será que isso inaugura uma nova tendência, e todos deveriam repensar o trabalho com HTML5? Para alguns especialistas, a resposta é não.

Traduzimos e reproduzimos, abaixo, alguns trechos do artigo de Paul Krill, do site InfoWorld, que conversou com Ian Jacobs, do W3C (consórcio responsável por manter os padrões da Internet, como o HTML) e um consultor da área de desenvolvimento.

Facebook abandona o HTML5 no iOS:
mudança de rumo, ou exceção?

Tecnologias-chave perderam espaço para o HTML5 nos últimos anos, como Adobe Flash e Microsoft Silverlight. As principais empresas de tecnologia, como Adobe, Google, Apple e Microsoft, já endossam o HTML5.

O World Wide Web Consortium, que supervisiona o desenvolvimento do HTML5, continua firme em seu apoio à nova tecnologia. “HTML5 é o formato mais interoperável na indústria, trabalhando em milhares de dispositivos com função e desempenho suficientes para quase todas as aplicações. É por isso que temos visto adoção generalizada”, diz o representante do W3C, Ian Jacobs.

Em novas tecnologias, é comum que o desempenho de novos recursos melhore ao longo do tempo, Jacobs acrescenta. Mas ele admite que há “casos limitados” onde soluções proprietárias são necessários. “Algumas aplicações têm tais necessidades de desempenho ou requisitos exigentes de plataformas especializadas que eles devem ser codificado para o dispositivo. Ao melhorar o desempenho e ampliar nosso conjunto de APIs, esperamos que vai diminuir com o tempo.”

Josh Martin, consultor do site Strategy Analytics, não vê o HTML5 perder nenhum brilho, embora também não o veja se tornar dominante em breve. Ele observa que, em uma pesquisa feita com desenvolvedores em abril 2012, o interesse em HTML5 permanece estável e é de fato crescente. Muitas empresas estão experimentando com HTML5, Martin observa: “Para algumas empresas – como editoras – o HTML5 faz sentido porque os aplicativos não exigem as mais recentes APIs, acesso a todo o hardware do dispositivo, ou conectividade constante. Estes atributos são ideais para um aplicativo HTML5.

Em termos gerais, a Strategy Analytics acredita que aplicativos nativos permanecem a principal maneira pela qual aplicativos serão desenvolvidos para os próximos anos, com uma crescente dependência de aplicativos híbridos [que usam HTML5 e código nativo].

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

Eduardo Melo

Eduardo Melo é fundador da Simplíssimo e seu diretor-executivo desde 2010. É licenciado em História e Mestre em Teoria da Literatura.

SimplíssimoNem tudo que é bom para o Facebook, é bom para os demais

Comments 1

  1. Prezados,

    Mark Zuckerberg deveria parar de olhar para o próprio umbigo e dar uma olhada na concorrência. O aplicativo Amazon Cloud Reader foi feito utilizando html 5 e dá um verdadeiro show de estabilidade e elegância. Depois não sabe explicar porque as ações da empresa caem. Que venha a próxima rede social.

    Abraços!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.