Novos Números Sobre eReaders nos Estados Unidos – artigo

21/09/2011
 / 
por Colaboração do leitor
 / 

Revolução E-book

Lembram da publicação de um infográfico que dei há exatos 10 dias? Esse aqui. Pois então, essa pesquisa de 2010 acaba de ser atualizada pela mesma empresa, a Harris Interactive. E os números trazidos são bons.

Continua provado, por exemplo, que aqueles que possuem eReaders leem e compram mais livros que aqueles que não utilizam o aparelho. Segundo a pequisa, um em cada seis americanos (15%) usa um eReader, comparado com menos de um em dez (8%) no ano passado. E entre os que não possuem um eReader, um em seis (15%) esperam comprar um nos próximos seis meses.

Os resultados também mostram que aqueles que possuem um eReader compram mais livros em maior número. 17% dos usuários do aparelho admitiram terem comprado mais de 21 livros em um ano, versus 8% dos leitores normais. E esse resultado se repete também na leitura. A maioria dos leitores que utilizam um dispositivo eletrônico lê mais do que os leitores normais. Por exemplo, quando falamos em um volume de 11 a 20 livros por ano, 32% dos leitores de eReader chegam a esse número (um terço da população americana!), contra apenas 13% dos leitores normais.

A pesquisa também falou de gêneros. Ficção e não-ficção continuam sendo os preferidos, com 76% cada (a pesquisa era de múltipla escolha, então não soma 100%), e entre esses gêneros destacam-se os de mistério e crimes (47%), ficção científica (25%), literatura (23%) e romance (23%). Entre os de não-ficção ficam os de história (27%) e os religiosos e espirituais (24%).

E quando a Harris Interactive fala em eReader, eles se referem a iPads, Kindles, Nooks e outros. A pesquisa foi realizada com 2183 adultos entre 11 e 18 de julho de 2011.

O que tudo isso significa?

Pra começar, cai o tabu de que os usuários de eReaders só compram por impulso, mas acabam não lendo o que adquiriram. Viu-se na pesquisa que eles não só compram mais – com a ajuda da compra por impulso, também –, mas também leem bem mais. É igualmente provável que uma compra por impulso de um livro aconteça na cama, tarde da noite, do que em uma livraria. Você precisa entrar em uma livraria para comprar algo por impulso, mas seu Kindle ou iPad está sempre com você, oferecendo novos livros.

E também mostra que os livros impressos não vão acabar tão cedo, e continuarão sendo uma ótima opção para os que gostam do peso e do cheiro do livro, bem como o tato com as páginas, entre tantos outros amores.

Novos Números Sobre eReaders nos Estados Unidos

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

21/09/2011
 / 
por Colaboração do leitor
 / 

Revolução E-book

Lembram da publicação de um infográfico que dei há exatos 10 dias? Esse aqui. Pois então, essa pesquisa de 2010 acaba de ser atualizada pela mesma empresa, a Harris Interactive. E os números trazidos são bons.

Continua provado, por exemplo, que aqueles que possuem eReaders leem e compram mais livros que aqueles que não utilizam o aparelho. Segundo a pequisa, um em cada seis americanos (15%) usa um eReader, comparado com menos de um em dez (8%) no ano passado. E entre os que não possuem um eReader, um em seis (15%) esperam comprar um nos próximos seis meses.

Os resultados também mostram que aqueles que possuem um eReader compram mais livros em maior número. 17% dos usuários do aparelho admitiram terem comprado mais de 21 livros em um ano, versus 8% dos leitores normais. E esse resultado se repete também na leitura. A maioria dos leitores que utilizam um dispositivo eletrônico lê mais do que os leitores normais. Por exemplo, quando falamos em um volume de 11 a 20 livros por ano, 32% dos leitores de eReader chegam a esse número (um terço da população americana!), contra apenas 13% dos leitores normais.

A pesquisa também falou de gêneros. Ficção e não-ficção continuam sendo os preferidos, com 76% cada (a pesquisa era de múltipla escolha, então não soma 100%), e entre esses gêneros destacam-se os de mistério e crimes (47%), ficção científica (25%), literatura (23%) e romance (23%). Entre os de não-ficção ficam os de história (27%) e os religiosos e espirituais (24%).

E quando a Harris Interactive fala em eReader, eles se referem a iPads, Kindles, Nooks e outros. A pesquisa foi realizada com 2183 adultos entre 11 e 18 de julho de 2011.

O que tudo isso significa?

Pra começar, cai o tabu de que os usuários de eReaders só compram por impulso, mas acabam não lendo o que adquiriram. Viu-se na pesquisa que eles não só compram mais – com a ajuda da compra por impulso, também –, mas também leem bem mais. É igualmente provável que uma compra por impulso de um livro aconteça na cama, tarde da noite, do que em uma livraria. Você precisa entrar em uma livraria para comprar algo por impulso, mas seu Kindle ou iPad está sempre com você, oferecendo novos livros.

E também mostra que os livros impressos não vão acabar tão cedo, e continuarão sendo uma ótima opção para os que gostam do peso e do cheiro do livro, bem como o tato com as páginas, entre tantos outros amores.

Novos Números Sobre eReaders nos Estados Unidos

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Esta página ainda não tem comentários. Quer comentar primeiro?

Deixe um comentário