“O futuro é o acesso aberto”, diz Robert Darnton sobre Bibliotecas Digitais

Nina Sarti Ebooks, Notícias Deixe um comentário

Saiu na Folha.com uma entrevista com o historiador Robert Darnton, que esteve no Brasil para participar do 4º Congresso Internacional CULT de Jornalismo Cultural. Entre os inúmeros assuntos abordados no texto – que foram desde a crise europeia até a Primavera Árabe -, Darnton falou de um tema que nos interessa mais diretamente: a digitalização das bibliotecas. Se tem alguém que pode falar com propriedade sobre este tema, é ele. Autor de “A questão dos livros: passado, presente e futuro”, Darnton trabalha na criação da Biblioteca Pública Digital da América, cujo objetivo é, em suas próprias palavras,

“pegar coleções digitais de todas as grandes bibliotecas do país e usá-las como base de uma grande coleção de livros, manuscritos, filmes, gravações e canções que ficarão disponíveis de graça para todo mundo no mundo.”

O historiador não disse exatamente quantos funcionários trabalham no projeto, mas declarou contar com “instalações modestas aqui [em Harvard], um secretariado e uma pequena equipe, além de seis forças-tarefa pelo país que trabalham nos diferentes aspectos do projeto”. Para tudo isso – que, até agora, custou US$ 5 milhões -, Harvard conta com o apoio financeiro de fundações privadas.

Para quem não se lembra, o Google tentou algo parecido e acabou sendo processado em 2005 por um grupo de autores e editoras que alegavam violação dos direitos autorais. O projeto de que Darnton está encarregado tem essa preocupação em mente e, por isso, conta com uma equipe responsável pela consulta e liberação de direitos – boa parte do acervo das bibliotecas é formado por livros em domínio público, mas a intenção é digitalizar também livros protegidos pela legislação cujas edições estão esgotadas. Segundo o historiador, esta é uma das principais questões que vêm emperrando a questão do acesso à cultura:

“A contenda da propriedade intelectual é enorme, e tem sido dominada pelo lobby de Hollywood, preocupado com filmes e música, não com a herança cultural do país. Temos de arrumar uma forma de disponibilizar essa riqueza intelectual. Temos professores de direito aqui e em outros lugares estudando formas legítimas de fazer isso. Um jeito é por meio dos processos de ‘fair use’ (uso justo) — esperamos ampliar a extensão dele. (…) A primeira lei americana, de 1790, seguia o exemplo britânico, que era de 14 anos renováveis por mais 14. Hoje, a vida do autor mais 70 anos, é mais do que um século, um absurdo.”

Ao investir em livros de domínio público e edições esgotadas, o projeto de Darnton parece estar conseguindo montar um acervo razoavelmente grande sem ter que esperar por mudanças nas leis de copyright. Ainda assim, à medida que muitos países promovem revisões de suas leis para atingir um equilíbrio entre direito do autor e direito do consumidor – com a ampliação do ‘fair use’ citada na entrevista, ou com exceções específicas para instituições educacionais -, as bibliotecas podem conseguir uma importante vantagem num campo em que as editoras continuam enfrentando dificuldades. Se o acervo de bibliotecas públicas se tornar realmente disponível de maneira fácil, rápida e gratuita para todo o mundo, como diz Darnton, enquanto e-books comerciais continuam presos a plataformas proprietárias que insistem em dificultar o acesso, aí sim as livrarias e editoras terão um grande problema.

Para publicar seu livro em ebook ou impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.000 autores e editoras. Veja como funciona a publicação para seu livro, aqui.

 

Simplíssimo“O futuro é o acesso aberto”, diz Robert Darnton sobre Bibliotecas Digitais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.