O Que Andam Falando Sobre o Caso do Modelo de Agência

da Redação Ebooks, Notícias Deixe um comentário

A decisão do governo americano de processar a Apple e outras cinco editoras em relação ao Modelo de Agência ainda vai dar muito o que falar. São muitos os insatisfeitos com o caso, e a repercussão só aumenta. Vamos fazer um update do que está acontecendo:

Authors Guild e Scott Turow criticam decisão

Scott Turow, líder do Authors Guild, lançou uma declaração condenando o acordo:

“A solução proposta é uma viagem chocante através do espelho. Ao permitir à Amazon recomeçar a vender a maioria dos títulos com prejuízo, o Departamento de Justiça está, basicamente, evitando que as livrarias tradicionais tentem entrar no mercado de eBook, ao mesmo tempo que impulsiona o comércio fora dessas lojas e no mundo proprietário do Kindle . O acordo prevê um obstáculo gigantesco para os concorrentes da Amazon no negócio de eBook, permitindo à Amazon funcionar sem lucro, algo que deixa que o mercado proibitivo a qualquer outra pessoa que poderia pensar em entrar, e um mau negócio para quem já está lá.”

Apple se pronuncia sobre o caso

Após dois dias depois da decisão do governo, a Apple emitiu um parecer oficial sobre o caso. O porta-voz da empresa, Tom Neumayr, deu uma declaração:

“A acusação de conspiração do Departamento de Justiça contra a Apple simplesmente não é verdade. O lançamento da iBookstore em 2010 promoveu a inovação e a concorrência, quebrando a aderência monopolista da Amazon na indústria editorial. Desde então, os clientes têm se beneficiado de eBooks que são mais interativos e envolventes. Assim como nós permitimos que os desenvolvedores definam seus preços na App Store, os editores definem os preços na iBookstore.”

Barnes & Noble pode ser uma das maiores perdedoras nessa história

Assim que foi anunciada a decisão do Departamento de Justiça americano, as ações da B&N caíram 6,4%. Isso porque, a partir de agora, a Amazon pode voltar a oferecer preços baixos nos eBooks de algumas das Big Six, operando em prejuízo como sempre fez, e criando um forte relacionamento com o consumidor.

Não há como a Barnes & Noble lutar contra isso. Além do mais, ela irá sentir os resultados desse caso mais profundamente na hora de renovar contratos, e a longo prazo nas vendas em geral, uma vez que a Amazon vende as mesmas coisas que ela vende. E por ter uma cadeia de varejo inchada, com muitas lojas físicas, poderá não aguentar o tranco.

“A Amazon acaba de ganhar uma arma – preço – para colocar em seu arsenal que tinha vivido sem isso por dois anos”, disse Mike Shatzkin, consultor do setor de livro. “Eles vão usá-lo e todos os concorrentes irão sofrer. A Barnes & Noble é provável que tenha problemas de reunir os recursos necessários para lutar a batalha de preços, enquanto eles também estão tentando manter as lojas abertas e desenvolver sua própria tecnologia.” completou.

Jornais se pronunciam a respeito

A Times afirmou:

“O Departamento de Justiça estava certo em processar a Apple e as cinco editoras sobre o preço dos eBooks porque qualquer cartel que inflaciona os preços é ruim para os consumidores. No entanto, a Amazon tem usado o prejuízo na venda de livros descaradamente para atrair clientes, minando editoras, com pouca consideração para o valor de escrever. O modelo de preços da Apple promove a concorrência, permitindo que uma gama de livreiros que seriam eliminados pela Amazon prosperem . Uma investigação completa é necessária, que inclui a Amazon e preserve a concorrência em um mercado que interessa aos leitores em todos os lugares.”

O New York Times também:

“O Departamento de Justiça, finalmente, mirou o monólito monopólio que ameaçava dominar a indústria do livro. Então, imagine o choque quando a bala destinada a ameaças à concorrência passou zunindo pela Amazon – que não muito tempo atrás tinha um estrangulamento de 90% em eBooks – e em vez disso, atingiu cinco das seis maiores editoras e da Apple, um jogador menor no reino de livros.”

Com informações do The Digital Reader, eBookNewser, Good E-Reader, Digital Book World e The Bookseller.

Para publicar seu livro em ebook ou impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Nossos números são difíceis de bater: desde 2010, a Simplíssimo comercializou mais de 1 milhão de exemplares e publicou mais de 1.000 ebooks e livros impressos. Veja como funciona a publicação para seu livro, aqui.

 

SimplíssimoO Que Andam Falando Sobre o Caso do Modelo de Agência

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *