ONG estimula leitura digital em países pobres usando acessos 2G

da Redação Ebooks, Mercado, Notícias 2 Comments

Nos países com alto índice de consumo de tecnologia, falar em internet 2G é como falar sobre barcos a vapor. E todo o buzz das notícias de gadgets orbita em torno de smartphones e tablets com recursos cada vez mais sofisticados. No mundo dos livros digitais não é muito diferente.

No entanto, celulares mainstream, com apenas alguns recursos a mais do que fazer ligações, são a principal interface de contato entre leitores e informação para uma imensa parcela da população mundial. Na verdade, pouquíssimas pessoas utilizam iPhones ou Galaxys, a despeito de toda a cobertura midiática – são 1,5 bilhão de smartphones entre 6,4 bilhões de celulares. E a Worldreader, organização sem fins lucrativos, quer utilizar essas “velhas” tecnologias para levar leitura e educação para as regiões mais pobres da África e Ásia.

Ler eBooks em smartphones e celulares é um comportamento que se consolida entre consumidores, derrubando o mito de que apenas tablets e eReaders são os dispositivos ideais para tal finalidade. Um estudo do Pew Internet Research Center divulgado em 2012 mostrou que norte-americanos costumam ler livros digitais em smartphones frequentemente durante intervalos comerciais na TV.

A organização já entregou 10 mil aparelhos Kindle, e está dando andamento ao próximo projeto: disponibilizar 1,4 mil eBooks gratuitos que podem ser acessados por uma rede 2G no aplicativo da Worldreader. A maioria dos títulos são de domínio público ou estão sob uma licença Creative Commons.

Apesar de trazer alguns títulos clássicos da literatura anglo-americana (o que poderia ser caracterizado como um “colonialismo cultural” disfarçado), o projeto também irá levar eBooks de escritores africanos e hindus. Os países que estão recebendo o projeto-piloto são Nigéria, Índia, Etiópia e Zimbábue.

Na África, estima-se que existam apenas 15 milhões de smartphones entre 500 milhões de celulares. De acordo com uma projeção da Wireless Intelligence, até 2016, 75% da região subsaariana terá acesso a internet 2G.

E se engana quem acredita que uma tela pequena é insuficiente para ler eBooks. Apesar de a maioria dos leitores do aplicativo Worldreader serem jovens do sexo masculino, as mulheres são as mais ativas, preferindo romances e consumindo 200 horas de leitura por mês. Outro público potencial são as crianças: um terço dos usuários dizem que gostariam de materiais de leitura infantis. Esse mesmo terço leem para as crianças as histórias nas telas dos smartphones.

Com informações do Mashable

Para publicar seu livro em ebook ou impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Nossos números são difíceis de bater: desde 2010, a Simplíssimo comercializou mais de 1 milhão de exemplares e publicou mais de 1.000 ebooks e livros impressos. Veja como funciona a publicação para seu livro, aqui.

 

SimplíssimoONG estimula leitura digital em países pobres usando acessos 2G

Comments 2

  1. Pingback: ONG estimula leitura digital em países pobres usando acessos 2G

  2. Muito interessante a matéria. Ficamos a pensar qual o tipo de tecnologia levará a maior porção de cultura aos povos menos favorecidos do planeta. Ler é importante, mas qual cultura será disseminada também é. O mercado digital é complexo. Alguém lembra do VideoDisc, o antecessor do CD? Vou “chutar”, mas acredito que uma porção considerável da população mundial menos favorecida nunca teve acesso a nenhuma nem outra tecnologia. Mesmo entre nós, com o advento do MP3 e das memórias sólidas, o CD já entrou em extinção, creio eu. Se não vivenciarmos algum tipo de tecnologia, isso não é tão relevante. Eu próprio nunca vivenciei os gravadores com rolos nem a era das fitas Betamax. Em compensação, paguei uma fortuna por um computador 486. Desde então, jurei ser mais equilibrado e pagar até uma certa quantia por tecnologias cuja vida tecnológica é duvidosa. Portanto, se um Kobo custasse (ou custar) mais que R$500,00, ele ficaria na prateleira da livraria… Se o Faraó lia em papiro… grande coisa aquela tecnologia. Não acham que publicar um livro em papiro está meio fora de moda ultimamente?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *