Os 40 Anos do Livro Digital – artigo

Colaboração do leitor Amazon, Artigos, Ebooks, editora, epub, ereader, ereaders, livro eletrônico, Tecnologia Deixe um comentário

Revolucaoebook.com.br

Se você acha que livro digital é novidade, está enganado, pois ele já chegou na fase adulta há muito tempo, e é um quarentão revigorado. Há anos venho defendendo e difundindo as potencialidades do livro digital, que pode democratizar o acesso ao livro e a leitura, principalmente por causa de sua portabilidade. Bom, essa história está longe de terminar, mas tem um começo preciso. Em 1971, Michael Hart criou o Projeto Gutenberg, a primeira biblioteca digital do mundo, desenvolvida para viabilizar uma coleção de livros eletrônicos gratuitos a partir de volumes físicos e com direitos autorais livres. O primeiro livro desta biblioteca foi a declaração de independência dos Estados Unidos (tornando-se o primeiro livro digital da história). Este projeto tem agora 36 mil títulos.

Outros dois grandes acontecimentos da história do livro digital aconteceram em 1991 e 1993, primeiro com a Companhia Voyager e seu projeto “Livro Estendido”, como fotos e biografia dos autores em CD-ROOMS, e com a Digital Book Inc, que produziu um disquete contendo 50 livros no formato DBF (Digital Book Format). Mas jogada de mestre teve Jeff Bezos, que resolveu criar a primeira grande livraria online, em 1995. No começo, ela vendia livros por email, e depois pelo site, e sua inovação se restringia apenas no modo de comprar e distribuir livros. Mas Bezos não se contentou com isso, e sua Amazon é hoje um conglomerado global. A partir de 1998, várias empresas tentaram emplacar leitores de livros digitais, como o Ebook Rocket, e SoftBook, e apareceram os primeiros fornecedores de eBooks em Inglês, como eReader.com e eReads.com. A Microsoft também tentou seu lugar ao sol, com o Microsoft Reader, mas não decolou. Quem alçou voo mesmo foi Stephen King, que teve o primeiro best-seller do mercado digital, “Montado na Bala”, com 400 mil downloads no lançamento (disponibilizado gratuitamente).

Em 2004, a Sony tentou entrar no mercado com seu leitor Libri, precursor do Sony Reader, lançado em 2006, e ambos tiveram fracassos retumbantes. Mas quem fez barulho mesmo foi a Amazon, que além de lançar o Kindle em 2007, disponibilizou 90 mil títulos para compra: uniu distribuição e tecnologia, justamente o que o mercado estava precisando. O sucesso foi tão grande que eles não pararam, lançando o Kindle 2 em 2009 e o Kindle 3 em 2010 (eu uso este último, e recomendo). O Kindle ajudou a popularizar a tinta eletrônica, que não cansa os olhos e imita o papel. Pra variar, somente em 2009 o Brasil acordou, com a criação da loja de livros digitais Gato Sabido, que acabou incorporada ao site Submarino.

No ano passado, a Apple e a Google entraram na briga: a primeira lançou a aplicação iBooks para iPad e Iphone, que permite que você compre livros eletrônicos na loja online iBookstore, e a segunda, o Google eBookstore, o maior catálogo do planeta, milhões de livros. Ambas têm potencial para derrotar a Amazon na distribuição e venda de livros, mas talvez não tenham fôlego ou vontade (a Amazon não é boba, acabou de lançar o Kindle Fire, tablet que custa a metade de um iPad). O fato é que a Amazon já vende mais livros digitais que impressos, uma tendência mundial e ecologicamente correta. E você, quando vai entrar no mercado do livro digital?

Artigo publicado originalmente no jornal A Notícia, por Carlos Schroeder, diretor executivo da Editora da Casa.

Os 40 Anos do Livro Digital

Para publicar seu livro em ebook ou impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Nossos números são difíceis de bater: desde 2010, a Simplíssimo comercializou mais de 1 milhão de exemplares e publicou mais de 1.000 ebooks e livros impressos. Veja como funciona a publicação para seu livro, aqui.

 

SimplíssimoOs 40 Anos do Livro Digital – artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *