twitter logo

Papo no Twitter: A Apple Está Prejudicando o Mercado?

da Redação Ebooks, Notícias Deixe um comentário

Perguntamos no Twitter e no Facebook “A Apple Está Prejudicando o Mercado?” para discutir nas redes sociais e também em nosso grupo de discussão (que é muito bom, aliás. Cadastre-se aqui). A conversa surgiu após a notícia da semana, o novo sistema de auto-publicação da Apple (veja mais aqui).

As respostas deram em uma ótima conversa, e vamos reproduzi-las abaixo:

@mezgravis Ação de Apple e Google é agressiva. No Brasil, as editoras ainda têm autonomia. Depende principalmente das editoras criarem suas políticas para eBooks. Quanto mais tecnologia nacional, melhor para concorrência.

João Luiz Flores De hora eu acho que não.

Patrick Osinski: Você gostaria de poder botar gasolina apenas no ponto de gasolina BR? E mais, usando unicamente seu carro de marca “Apple”, porque o software para criar conteúdo, funciona apenas com computador Apple?

Miguel Veloso: Instalei hoje o Lion e o iBooks Author e posso dizer que fazer um eBook nunca foi tão interessante. A Apple antecipou-se, como de costume, e bem. O programa é excelente, permite todo o tipo de conteúdos sem editar uma linha de código, e o resultado final deixa a um canto tudo o que se pode fazer com o InDesign CS 5.5 e Sigil. Mas, se quisermos algo diferente e usar código, o Author permite utilizar HTML5 ou anterior com resultados fantásticos. Também gostaria que os ePubs deste programa fossem compatíveis com mais sistemas, mas ainda ninguém disse que não vai haver iBooks para Windows, Mac OS ou Android. A Apple só tem a ganhar com isso.

Oswaldo Pullen: Eu já andei dizendo o óbvio, ou seja, que ninguém é bonzinho no mercado. Os movimentos da Apple e da Amazon são para arrasar um ao outro e, de lambuja, engolir os peixinhos menores. O bom seria aparecer um terceiro grande player com a fusão de dois ou mais peixes médios que nadam por esses mares. Mas, padrão que é bom, não interessa a nenhum dos senhores da guerra. Talvez, afinal, a guerra seja da Amazon contra a Apple, e os dois contra todos. Mas veja só você, que nem aqui na terrinha, ninguém consegue se unir para enfrentar a invasão dos bárbaros. A esta altura, as editoras já deveriam estar com preços absurdamente baixos, e seus sites lotados de eBooks!

Alexandre Lima: Aplicativos pra iOS têm restrições similares, e isso não parece ser um grande problema.

Roberto Locatelli: Existem dois caminhos possíveis na internet. Um é colaborativo. Outro é exclusivista (ou seja, excludente). A Apple, desde o início, usou um marketing que consiste em fazer o consumidor de seus produtos acreditar piamente que é uma espécie de sócio da empresa. Muita esperteza (da Apple, bem entendido). A linha de conduta da Apple é a de exclusão. iDispositivo, iSoftware, iLoja. Um universo paralelo fechado em si mesmo. A preços exclusivos e excludentes. Prefiro a outra opção, colaborativa, pois não acho seguro depender de uma empresa. As ações que a Microsoft sofreu nos EUA foram motivadas justamente por essa política de monopólio. Uso Windows, sim, mas também o Linux, sendo que 70% dos softwares do meu desktop são softwares livres – LibreOffice, Sigil, Firefox, Thunderbird, Sunbird, Filezilla, Blender e outros – pois eles têm qualidade e custam quase nada. Um manual em papel aqui, um CD opcional de instalação ali. A opção colaborativa é a do século 21. A opção exclusiva (e excludente) é do século 20. Que já passou.

Izabel Delmondes: Fechar em torno de um formato proprietário, a princípio, é válido e legal. Com o uso e o passar do tempo, tais políticas tendem a mudar, entram outros interesses, começam as discussões e a empresa acaba mudando o rumo da política inicialmente adotada e passa a adotar outra, desde que os seus interesses comerciais sejam preservados. Resumindo, no momento em que algo ameaçar os lucros a coisa muda.

A participação de todos foi muito interessante, e espero que possamos dar continuidade a esse debate aberto no Twitter. Se desejar participar dos debates posteriores, siga o twitter do Revolução (@revebook) e fique atento às próximas perguntas.

Para publicar seu livro em ebook ou impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Nossos números são difíceis de bater: desde 2010, a Simplíssimo comercializou mais de 1 milhão de exemplares e publicou mais de 1.000 ebooks e livros impressos. Veja como funciona a publicação para seu livro, aqui.

 

SimplíssimoPapo no Twitter: A Apple Está Prejudicando o Mercado?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *