… ou porque a auto-publicação irá salvar o mercado editorial

eduardo Ebooks, Notícias Deixe um comentário

Se a publicação independente está matando alguma coisa, é a ideia de que livros precisam ser caros do jeito que são.

É o que sustenta o autor e blogueiro David Gaughran, comparando o aparecimento e crescimento dos ebooks em um período de recessão econômica mundial, ao surgimento e a evolução dos livros baratos em formato paperback (que chamamos por aqui de brochura), nos EUA da Grande Depressão, o período da mais grave crise econômica até hoje. O Revolução eBook reproduz, em tradução livre e adaptada, o artigo de David, para servir de contraponto ao seguinte argumento: os autores auto-publicados, que vendem seus ebooks a preços muito baixos, quase de graça, ameaçam acabar com o mercado editorial?

Autores que se auto-publicam não estão matando o mercado,
estão salvando-o

Texto de David Gaughran

Eu sou um auto-editor. Um autor indie. Tudo o que você quer me chamar. Eu tenho lido muitos artigos sobre como auto-editores estão matando a indústria do livro. Eu já ouvi isso de grandes editoras. Do presidente do Sindicato dos Autores dos EUA. De romancistas tradicionalmente publicados e agentes e até mesmo outros auto-editores. Se eu quiser, eu aposto que posso encontrar um novo artigo desses todos os dias.

Mas eu não vou, porque eu já não acredito neles.

Auto-editores não têm o poder de matar a indústria editorial. Eu não acho que alguém tenha. Mas nós temos o poder de mudá-lo. Nós já temos – e, paradoxalmente, essa mudança não é uma mudança em tudo. E, em vez de matar os livros, esta mudança tem ajudado a ressuscitá-los.

Nós não somos os primeiros a ser acusados de matar a indústria. Em 1939, Robert de Graff ameaçou acabar com o mercado editorial, também. No final da Grande Depressão, quando um livro capa dura era regularmente vendido por entre US $ 2.50-$ 3.00, ele começou a vender Pocket Books paperback por US $ 0,25.

Para colocar isso em valores de hoje, é como se um livro capa dura custasse cerca de US $ 40-50. Os primeiros livros de bolso paperback, no mercado americano, custaram o equivalente a US $ 4,16. Em termos modernos, um livro que uma vez custava tanto quanto uma máquina de café agora custa tão pouco quanto uma xícara de café. Um livro que uma vez custava tanto quanto um tanque cheio de gasolina, passou a custar tão pouco quanto um galão.

Em pouco mais de cinco anos, a partir de que data de lançamento 1939, foram vendidos mais de 100 milhões de livros de bolso.

Mas não era um sucesso apreciado por todos. Um editor da Penguin estava tão horrorizado com as capas de mau gosto de seus livros, que ele acabou vendendo toda a linha. Outros, preocupabam-se abertamente com a morte da indústria de capa dura. Sobre o conceito de pular os livros de capa dura e imprimir direto em brochura, o próprio VP da Pocket Books, Freeman Lewis, dizia que “autores de sucesso não estão interessados em publicar diretamente na versão de 25 centavos.”

Mas eles estavam, é claro. Particularmente escritores de romances, que não se importavam se este novo formato era vergonhoso. Porque vendia bem. Leitores compraram seus livros aos milhões. Como o formato estava sendo denunciado como o playground de hacks, autores como William S. Burroughs e Philip K. Dick estrearam nos livros baratos a preço de banana, em  impressões somente em brochura (especificamente, com Ace Doubles, que vendeu um livro em pacote de dois romances por US $ 0,35). A história da época é fascinante – um artigo curto, mas rico recapitula-a aqui  – mas o que é mais interessante para mim é que o preço inicial de U$ 0,25.

O blog Passive Guy sugere que a auto-publicação está salvando uma indústria prejudicada por erros (role para baixo no link, para ler seus comentários abaixo do artigo). Ele diz que grandes editoras têm aumentado o preço dos livros, muito além da taxa de inflação, afastando os leitores e estrangulando o mercado. Mas ele não cita números. Eu cito.

  • De 1939-1961, muitas brochuras eram vendidas por US $ 0,25-0,35. Em dólares de 2012, os preços começaram a US $ 4,16 e cairam para tão pouco quanto $ 2,71.
  • Por 1966-1968, preços mais baixos borbulhavam de volta até US $ 0,60-0,75. Em 2012, algo como U$ 3,99-4,99.
  • Por 1972-1975, livros de bolso do mercado de massa continuaram subindo para US $ 0,95-1,25. Em 2012, algo como U$ 5,26-6,92.
  • Por meados de 1980, os mercados de massa atingiram US $ 2,95-3,95. Em 2012, algo como U$ 6,34-8,49, com alguns além de US$ 9,50.

Em suma, os preços relativos aos poucos diminuiram entre 1939-1961. Em 1966, eles subiram acentuadamente, atingindo o pico em torno de 1982-1986, com a inflação ajustada equivalente a US$ 7,99 (ou mais). O preço da maioria dos livros de bolso do mercado de massa permaneceu nesta faixa desde então. Em menos de duas décadas, os livros de bolso custam 295% do que custavam nos anos anteriores.

Coincidentemente, as fusões de editoras começaram em 1958, aceleraram na década de 1960, e tornaram-se uma “epidemia” em 1970. Na década de 1980, a indústria editorial americana atingiu um estado em grande parte como o que vemos hoje, onde um punhado de empresas possui a grande maioria dos negócios.

E, como as editoras cresceram e e ficaram mais eficientes, os preços dos seus livros mais baratos triplicou.

Correlação não é causalidade. Eu não sei se a consolidação da indústria editorial foi uma causa direta desta enorme aumento nos preços. Mas se eu tivesse que apostar, eu apostaria que essas fusões resultaram em um monopólio de fato, um estado de semi-conluio em que os editores elevaram os preços simplesmente porque podiam. Eu não acho que esses aumentos de preços foram naturais ou inevitáveis.

Em última análise, porém, não importa por que aconteceu.

O que importa é que os preços subiram. Muito. As pessoas tinham que pagar mais para ler. Quanto mais se lê, mais se tinha que pagar. Livros, tanto quanto ele pode ser visto de outra forma, não são uma necessidade da vida. Eles não são alimentos. Eles não são a gasolina ou eletricidade. Como os preços sobem, as vendas diminuem. Leitores lêem menos, especialmente em tempos de recessão. O mercado corrói. Torna-se vulnerável à mudança.

Por alguma razão, a indústria editorial não conseguiu manter os seus livros de preço mais baixo, perto dos preços que eles mantiveram por décadas. Quando os ebooks chegaram, em vez de seus preços serem mais baixos, eles acabaram custando mais que os livros de bolso antigos. US$ 9,99. US$ 12,99. US$ 14,99. Eles ainda não custam tanto quanto um tanque de gasolina, mas três deles podem custar.

As grandes editoras mantiveram esses preços de ebook através de conluios. Mesmo que tenham lutado para manter os ebooks ainda mais caros do que os seus preços artificialmente inflacionados nas versões paperback, varejistas online como a Amazon, iTunes, Barnes & Noble e Kobo ameaçaram matar a indústria editorial novamente. Eles fizeram o possível para que os autores publiquem diretamente aos leitores. Em meio à Grande Recessão de hoje, autores independentes ofereceram seus livros a preços estabelecidos na Grande Depressão, 70 anos antes. Alguns autores oferecem a preços ainda mais baratos. Muitos escreveram lixo. Muitos exibem capas sensacionalistas, vergonhosas.

“Se os indies mataram alguma coisa, é a idéia de que os livros precisam custar tanto como eles custam.”

Eu não sei o que aconteceu para os preços subirem entre 1961 e agora. Talvez os editores ficaram gananciosos. Talvez eles apenas sejam ineficientes, mas nunca tentaram resolver a questão, porque eles eram os únicos, e se as pessoas queriam ler bons livros, tinham que comprar de editoras tradicionais. Os editores que, por qualquer motivo, abandonaram as impressões de baixo custo.

E quando a oportunidade surgiu, finalmente, os autores indie entraram em cena para cobrir essa lacuna. Se os indies mataram alguma coisa, é a idéia de que os livros precisam custar tanto quanto custam hoje. Muitos têm ido tão longe a ponto de vender seus livros por US $ 0,99, ou dá-los gratuitamente. Confrontados com esta novidade, e constrangidos por seus próprios orçamentos apertados, os leitores têm abocanhado esses livros mais baratos, levando a uma enxurrada constante de argumentos, de que autores auto-publicados foram longe demais, que estes preços são insustentáveis, que em sua corrida rumo aos valores mais baixos, vão arruinar o mercado para todos.

O próprio desmantelamento destes medos exigiria uma resposta ainda mais longa que esta. Eu vou dizer que os autores indies precisam comer também. A crescente classe de profissionais auto-editores tem que pagar por artistas de capa, edição, revisão e publicidade própria. Para tratar a escrita como um trabalho, autores independentes têm de encontrar uma maneira dela ser paga, como se fosse um emprego. Enquanto isso, a auto-publicação em plataformas como a da Amazon evitam que os preços cheguem ao fundo do poço, pois recompensam melhor os preços mais elevados, com melhores taxas de royalties e mais visibilidade.

E os leitores ajudam a evitar que os preços zerem, provando que milhões estão dispostos a pagar alguns dólares pelos livros de autores independentes que amam.

Muito estranhamente, se você olhar para muitos dos indies mais bem sucedidos do momento, os preços que eles cobram – US$ 2,99, US$ 3,99, US$ 4,99 – são exatamente os mesmos preços pagos pelos leitores mais de 50 anos atrás. Indies são os novos Pocket Books. E alguns deles são muito, muito bons. Somos capazes de comprar e explorar livros a preços que não eram vistos em meio século. Os leitores estão nos dando carreiras reais. Em troca, somos capazes de oferecer-lhes livros ainda melhores.

Amanhã, haverá um novo artigo sobre como autores auto-publicados estão matando a indústria do livro. Eu não vou lê-lo. Eu não acredito. E eu não acho que temos algo a provar.

Fonte: Self-Publishers Aren’t Killing The Industry, They’re Saving It

Para publicar seu livro em ebook ou impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Nossos números são difíceis de bater: desde 2010, a Simplíssimo comercializou mais de 1 milhão de exemplares e publicou mais de 1.000 ebooks e livros impressos. Veja como funciona a publicação para seu livro, aqui.

 

Simplíssimo… ou porque a auto-publicação irá salvar o mercado editorial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *