Image
Você receberá um eBook para download digital no formato PDF.

Tamanho

30 páginas

Avaliação

Adicionar uma avaliação
A Menina que Dividiu o Pôr do Sol A Menina que Dividiu o Pôr do Sol
Avaliação*
0/5
A classificação é obrigatória
Sua avaliação
A avaliação é obrigatória
Nome
O nome é obrigatório
* Please tick the checkbox to proceed
0,0
Baseando-se em 0 avaliação
5 estrelas
0%
4 estrelas
0%
3 estrelas
0%
2 estrelas
0%
1 estrela
0%
0 de 0 avaliações

Nenhuma avaliação encontrada

A Menina que Dividiu o Pôr do Sol

Compartilhar É a matemática do amor

 

Será que matemática rima com amor? Talvez uma resposta para esta pergunta esteja na própria definição de matemática. A palavra matemática tem suas origens na expressão grega matemathike que significa ‘ensinamentos’. Oras, ensinar é por si só um ato de amor que tem lugar quando estão presentes, pelo menos um mestre e um aprendiz, e pouco ou nada tem a ver com idade ou tempo. Nem sempre quem ensina é o mais velho ou quem aprende o mais novo. Trata-se de um ato intimamente compartilhado onde todos podemos aprender para ensinar e reaprendermos, em torno de uma espiral contínua próspera de amor. E assim foi quando minha filha mais nova, no alto de seus 5 anos, correu a me chamar, me tomando pela sua mãozinha e guiando-me na penumbra para a janela de casa. Foi diante dessa janela que ela dividiu um pôr-do-sol comigo, subindo num pufe próximo, sem soltar a minha mão, para narrar o multicolorido amarelo, laranja e avermelhado do céu e da casa que era iluminada. Esse astro foi dividido inesperadamente, entretanto isso não diminuiu a porção de sol de cada um de nós… Ao contrário, somou sóis a ambos. Nos presenteando com terna memória que, já no escuro, resolvi colorir com palavras e eternizar em mais este Conto de Família.

A matemática é uma ciência formal e se baseia em axiomas, teoremas, corolários, lemas, postulados e proposições para chegar a conclusões tanto teóricas quanto práticas. O amor, por outro lado, não é formal, mas carrega ensinamentos igualmente valiosos, ternos e eternos; e neste livro, ambos são estimulados por meio do ato de compartilhar.