Exclusivo: um raio-X sobre dados reais de vendas de ebooks

Eduardo Melo Ebooks, Mercado 1 Comment

Quando lemos textos sobre o tema “vendas de ebooks”, é difícil vermos números reais. Raramente alguma empresa (editora ou livraria) abre o jogo, então nos contentamos com palpites ou dados antigos. Se tivéssemos uma circulação de dados maior, mais frequente, o mercado do livro digital como um todo sairia beneficiado. Pensando nisso, vou abrir com vocês os únicos dados sobre os quais tenho segurança total para comentar: as vendas da minha empresa no mês de abril de 2013, em detalhes.

Logicamente, a Simplíssimo isoladamente não é representativa do conjunto do mercado. Mas analisando os nossos números, surgem várias questões interessantes.

Para contextualizar os dados das vendas, vou apresentar a composição do nosso catálogo, suas faixas de preço e o total de unidades vendidas. Depois disso, apresento os resultados por livraria e faço uma comparação entre eles. Por fim, a partir dos dados, faço uma análise do perfil dos consumidores de cada loja.

O Catálogo

Em abril, tínhamos 93 ebooks à venda em 5 livrarias – Apple, Google, Kobo/Cultura e Saraiva. No final de abril, colocamos os ebooks também na IBA, mas infelizmente não deu tempo para reunir dados sobre vendas. Você notou uma ausência importante na lista, certo? A Amazon está fora. Explico rapidamente: as cláusulas contratuais da Amazon (ao menos alguns meses atrás) eram draconianas, algumas delas, francamente desfavoráveis à independência de qualquer empresa. Ora, se o mercado digital no Brasil está longe de ser algo consolidado, qual sentido em se submeter a condições ruins? Não vale a pena abrir mão da independência, para ser obrigado a condições muito piores do que as oferecidas pela concorrência. Assim, decidimos não vender na Amazon. É uma estratégia diferente da maioria das editoras, mas confiamos que esta decisão é a melhor, até o momento.

Nosso catálogo de ebooks pode ser dividido em dois grupos: autores auto-publicados, pelo serviço “Simplíssimo para Autores” (68 obras) e obras de domínio público (25 obras) reeditadas em ebook.

As obras de domínio público vendem muito bem (já comentei antes, aqui e aqui). Esse bom resultado nas vendas é um pouco bizarro, já que a maioria destas obras têm “zilhões” de versões grátis espalhadas pela rede, e inclusive nas próprias lojas onde são vendidas, uma “concorrência” intensa. Todos estão à venda por valores idênticos, entre R$ 1,80 e 1,99, conforme as lojas. No caso das obras dos autores, a maioria dos ebooks está à venda por valores inferiores a R$ 10, mas cerca de 10% das obras estão à venda por valores superiores a R$ 10.

Unidades vendidas e faturamento por catálogo

Em abril de 2013, vendemos um total de 1064 exemplares. Destes, 859 foram Domínio Público (80,7%) e 205 Simplíssimo para Autores (19,3%). Para cada 4 ebooks de Domínio Público vendidos, foi vendido 1 ebook de autor auto-publicado. Esta proporção de exemplares vendidos, porém, é ilusória – ela não representa o faturamento. Quando o dinheiro é contado, existe equilíbrio.

Pouco mais da metade do faturamento, 52%, veio das 205 vendas da Simplíssimo para Autores. Praticamente 1/4 das unidades respondeu por mais da metade do faturamento.

Este dado mostra uma outra informação, indireta, que serve para nós refletirmos. Quando lermos que “A Livraria Y está alcançando a Livraria X em participação de mercado”, é preciso conferir como se chegou a essa conclusão – pelas unidades, ou pelo faturamento? Se a conta for baseada em unidades vendidas, sem levar em conta o faturamento, uma unidade vendida a R$ 1,80 terá o mesmo peso que uma unidade vendida a R$ 15.

Digamos que a loja “Y” tenha vendido 400 ebooks, mas todos baratinhos, como as obras de domínio público da Simplíssimo. É possível dizer que o market share dela é maior que o da loja “X”, que vendeu apenas 100 ebooks? Se a loja X arrecadou tanto dinheiro (ou mais até) que a loja Y, é complicado fazer uma afirmação assim. Vender mais unidades, está longe de significar mais relevância (ou mais dinheiro no bolso). Essa reflexão é importante para entender os números que mostro a seguir.

Continue lendo: quais livrarias vendem mais ebooks?

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

Eduardo Melo

Eduardo Melo é fundador da Simplíssimo e seu diretor-executivo desde 2010. É licenciado em História e Mestre em Teoria da Literatura.

SimplíssimoExclusivo: um raio-X sobre dados reais de vendas de ebooks

Comments 1

  1. Pingback: Quais livrarias vendem mais ebooks? | Revolucaoebook.com.br - notícias e opiniões sobre ebooks, livrarias e o mercado do ebook - Revolucaoebook.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.