Resumo do Readers 2.0 no Rio de Janeiro

Eduardo Notícias Deixe um comentário

Diretamente aqui do RJ na manhã de sábado, assistindo o debate sobre os e-books, organizado pelos Jornalistas da Web na Facha, faculdade de comunicação.

Por enquanto, fica no ar um resumo das falas dos convidados. Segunda-feira, trago ao ar uma avaliação do encontro. Então o resumo:

Ana Claudia Ribeiro deu um histórico interessante sobre e-papers e um histórico do papel e dos suportes livros ao longo do tempo.

Aline Polycarpo, do Infoglobo, trouxe dados muito interessantes sobre o uso e a busca de informações na rede, focada na questão da mobilidade. Um breve histórico sobre o jornal O Globo e o pioneirismo do jornal nas versões Kindle e iPad. Comparações entre o Kindle e o iPad. iPad muito mais abrangente e com mais possibilidades de uso do que o Kindle, que é limitado, inclusive para a produção de conteúdo. iPad exigiu escolhas do jornal, priorizações: por enquanto o acesso é grátis, porque o pessoal do Globo está testando e aprendendo o modelo a ser usado no iPad.

Situação atípica: internautas compram e-books pensando que estão comprando livros impressos

Carlos Eduardo, da Gato Sabido, explicou o contexto do lançamento da sua livraria online, a Gato Sabido. Conta que antes da estreia os e-books eram desacreditados no Brasil, mas mesmo assim foram adiante. Diz que as editoras não estavam preparadas para os e-books. Ele descobriu que a maioria das editoras, no começo de 2010, não sabiam onde estavam seus arquivos ou não sabiam como preparar os seus arquivos para produzir e-books. A maioria sequer tinha direitos eletrônicos sobre as obras. O acervo de títulos em português é reduzido. Muita dificuldade para lançar e-books em livrarias. Cita a Cultura e Saraiva como exemplos de livrarias que chegam ao mercado. Mas conteúdo ainda é o desafio: falta conteúdo. Faltam títulos. Leitores reclamam. Pede que as pessoas cobrem os editores para disponibilizar seu conteúdo na rede como e-book. Sobre o preço dos e-books, ele diz que pagaria R$ 30,00 por um e-book, pela praticidade e conveniência que ele representa. Comenta a questão da evolução tecnológica do suporte dos textos, desde o código de Hamurabi (em pedra, quase dois milênios antes de Cristo) até aqui. Editoras têm muitas dificuldades para posicionar livros impressos nas livrarias. Ele exibiu o clássico vídeo sobre a introdução do livro impresso atual, para uma pessoa acostumada com papiros. Comenta situações de pessoas que compram e-books achando que na verdade são livros impressos, e pessoas que compram para ler o Kindle e não conseguem abrir os e-books nesse aparelho. Ele explica que a Gato Sabido usa DRM nos livros por demanda das editoras, mas que acredita que os livros deveriam ser vendidos sem a proteção.

Polêmica sobre o preço dos livros. Ana Cláudia da e-papers lembra que a pirataria de e-books pressiona os preços dos impressos, especialmente dos livros voltados para o público acadêmico. Vidal, da vieira & lent, comenta que os preços dos e-books devem ser mais baixos para potencializar as vendas. Ana Cláudia comenta que livros são caros. Ela entende que DRM protege, mas restringe o uso dos e-books. A cópia é um mal necessário. DRM é um problema, mas é a solução que a indústria tem. Para contrapor o preço de R$ 30,00 de um livro, ela compara isso com uma rodada de chopp e questiona a percepção de que livros são caros.

A presidente da Libre questiona a questão da cobrança recair sobre os editores, recordando que os editores são principais na cadeia do negócio e não devem ser desprezados no mercado de e-books.

Uma polêmica foi a questão do uso do DRM/Social DRM nos livros. A e-paper já usa Social DRM em seus livros e tem tido sucesso: não encontra livros piratas na rede. E a e-paper não usar o DRM tradicional da Adobe, apenas inclui nos livros os dados do comprador.

Outra questão polêmica foi a questão do formato. Na visão de Ana Claudia Ribeiro, o PDF já é uma tecnologia estabelecida e preferível ao ePub. Para Carlos Eduardo, o uso do PDF pode ser uma alternativa para os e-books.

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

Eduardo

SimplíssimoResumo do Readers 2.0 no Rio de Janeiro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.