Saraiva e Amazon contestam dados de pesquisa

da Redação Ebooks, Mercado, Notícias 3 Comments

Após a divulgação, ontem, da pesquisa sobre a quantidade de ebooks em português à venda no Brasil, duas das seis livrarias citadas contestaram os números apresentados.

A Livraria Saraiva enviou nota à redação do Revolução eBook, solicitando a retificação da pesquisa. Informa que o seu acervo atual teria, aproximadamente, 17 mil títulos nacionais. Também informa que, até 31 de março, seu catálogo nacional já superava 16 mil títulos.

A Amazon também enviou nota à redação, pedindo que os dados da pesquisa fossem atualizados. Informou ter mais de 19 mil ebooks em português, cerca de 2,5 mil gratuitos e mais de 16,5 mil à venda.

A Simplíssimo, autora da pesquisa, comenta os pedidos das livrarias:

“As informações levantadas na pesquisa refletem os ebooks que conseguimos localizar, através de navegação direta nos sites das lojas, entre os dias 20 e 24 de abril. A pesquisa foi uma fotografia daquele momento. Certamente alguns resultados podem estar sujeitos a variações.

Nós optamos, como por ocasião das duas pesquisas anteriores, por não entrar em contato previamente com nenhuma das livrarias pesquisadas. Nosso objetivo não é realizar uma pesquisa a partir de informações fornecidas diretamentes pelas livrarias. A ideia é justamente evitar os números “oficiais”, buscando a informação bruta e publicamente disponível nos sites das livrarias.”

Para publicar seu livro em ebook ou impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.000 autores e editoras. Veja como funciona a publicação para seu livro, aqui.

 

SimplíssimoSaraiva e Amazon contestam dados de pesquisa

Comments 3

  1. Pingback: Exclusivo: Brasil ultrapassou marca de 25 mil ebooks em português | Revolucaoebook.com.br - notícias e opiniões sobre ebooks, livrarias e o mercado do ebook - Revolucaoebook.com.br

    1. Se pensarmos bem, faz sentido que a Apple venda mais, pois a maioria das pessoas nem sabe o que é e-ink. No entanto, quem possui um e-reader e um tablet da Apple, como eu, nem se preocupa em procurar livros na Apple, que tem o DRM mais fechado de todos e vende em dólar com o IOF que vem de brinde. Na Apple só compro música, e por falta de concorrência decente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *