Direitos autorais

Sobre Editoras, Bibliotecas e Livros Digitais

da Redação Ebooks, Notícias 2 Comments

Uma das maiores sensações dos livros eletrônicos nos Estados Unidos em 2011 foi a chegada desse meio às bibliotecas. Distribuidoras como a OverDrive e o Google Books disponibilizaram sistemas para que bibliotecas por todo o país pudessem comprar eBooks e oferecê-los aos seus usuários, utilizando seus computadores ou eReaders como o Kindle.

Direitos autorais

Entretanto, problemas começaram a surgir. Algumas das grandes editoras retiraram os títulos em lançamento do catálogo das bibliotecas, e isso foi seguido por outras. Iniciou-se uma discussão sobre como o sistema de empréstimo de digitais pelas bibliotecas poderia prejudicar o mercado em geral.

Um artigo recente no The New York Times trata o assunto de maneira pontual e apresenta os problemas, bem como a solução encontrada por uma das grandes editoras. Nele, Randall Stross fala sobre as preocupações das editoras:

Uma fonte de grande preocupação para os editores. Em seus olhos, pedir um eBook de uma biblioteca tem sido muito fácil. Preocupados que as pessoas cliquem para pedir um eBook de uma biblioteca ao invés de clicar para comprá-lo, quase todas as grandes editoras nos Estados Unidos agora bloqueiam o acesso das bibliotecas a alguns ou todos os seus livros eletrônicos, principalmente os mais recentes.

O empréstimo de um livro impresso a partir da biblioteca impõe um inconveniente a seus usuários. “Você tem que caminhar ou dirigir até a biblioteca, e em seguida, caminhar ou dirigir de volta para devolvê-lo”, diz Maja Thomas, vice-presidente sênior do Grupo Hachettte Livre, responsável pela divisão digital.

Outro problema é a duração de um eBook. Livros impressos se gastam com um certo período de uso, e precisam ser recomprados, mantendo o mercado. Já um livro digital pode ser emprestado para sempre, sem qualquer desgaste ou problema. Mesmo com lista de espera, e com um eBook podendo ser emprestado para apenas um usuário por vez.

Cópias impressas não duram para sempre e, eventualmente, os que estão em alta demanda terão de ser substituídos. “Vender uma cópia que pode ser emprestada um número infinito de vezes, sem atrito, não é um modelo de negócio sustentável para nós”, diz Thomas. A Hachette parou distribuir para bibliotecas em 2009.

As ideias para a solução desse problema chegam a ser bem esquisitas:

Para impedir que suas receitas globais percam vendas para as pessoas, as editoras precisam reintroduzir mais inconvenientes para o usuário ou aumentar o preço para a biblioteca compradora. Se tornar os livros mais caros para as bibliotecas parece uma idéia perversa, considere que a edição de capa mole de um livro proporciona uma experiência artificialmente cara para seus compradores também, em termos de tempo de espera. O atraso na disponibilidade do livro de capa mole pelo editor permite separar os compradores de livros dispostos a pagar uma taxa para ler o livro antes daqueles que estão dispostos a pagar menos por aquilo que é essencialmente a mesma coisa, só que mais tarde.

Thomas da Hachette afirma: “Nós conversamos com os bibliotecários sobre as várias opções”, como limitar o número de empréstimos permitido ou excluindo títulos recentemente publicados. Ela acrescenta que “não há acordo, no entanto, entre os bibliotecários sobre o que eles aceitariam.”

Mais esquisito ainda é que as editoras não podem se reunir para discutir uma solução, graças às leis antitruste que caracterizariam uma solução conjunta como possível cartel de preços. Enquanto isso, pequenas editoras aproveitam, pois qualquer vitrine de exposição para seus títulos é um bom negócio, e a compra de títulos por bibliotecas, também. Entre as grandes editoras, uma boa solução começa a tomar corpo. Veja o que a HarperCollins está fazendo:

No início de março, ela parou de vender livros digitais a bibliotecas para uso ilimitado, o que vinha fazendo desde 2001. Ao invés disso, começou a utilizar o licenciamento de cada cópia de eBook para um máximo de 26 empréstimos. Isso afeta apenas os títulos mais populares e não tem efeito prático sobre os outros. Depois que o limite é atingido, a biblioteca pode recomprar os direitos de acesso a um custo menor do que o preço original.

A estratégia foi solicitada, a empresa disse em um comunicado, por preocupações de que continuar a vender eBooks sobre os velhos termos ilimitados “no final, levaria a uma diminuição na venda de livros e royalties pagos aos autores.”

A HarperCollins foi corajosa ao mexer com a idéia sacrossanta que uma biblioteca pode fazer o que deseja com um livro que obtém. A ação da editora, sem dúvida, beneficia a maioria dos partidos, porque dá acesso a usuários da biblioteca aos últimos títulos em eBook e ao mesmo tempo protege os interesses financeiros das editoras, autores e livreiros.

Robin Nesbitt, diretora de serviços técnicos na biblioteca metropolitana Columbus em Ohio, diz que não se opõe ao limite da HarperCollins. “Pelo menos a HarperCollins me permite ter acesso aos seus títulos”, diz ela. “Eu não me importo de comprar um título e, em seguida, ter que comprá-lo novamente – eu já faço isso agora, com os impressos. Sei que muitas bibliotecas estão bravas porque pensam que 26 empréstimos é um número muito baixo – bem, como você sabe que 26 é muito baixo sem experimentar?”

SimplíssimoSobre Editoras, Bibliotecas e Livros Digitais

Comments 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *