Logotipo CBL - Câmara Brasileira do Livro

Escola do Livro: Economia Criativa – Do Conceito Aos Negócios

da RedaçãoAtualizado em: Notícias Deixe um comentário

No dia 23 de março, a Escola do Livro da CBL promoverá o curso Economia Criativa – Do Conceito Aos Negócios. A palestrante será Ana Carla Fonseca.

Objetivos

A economia criativa, ao abranger setores culturais e os neles inspirados, reforça uma dimensão amplamente aspiracional da economia: a diferenciação de produtos e serviços, com alto valor agregado potencial  e inclusão de talentos. Seu impacto sobre os setores econômicos tradicionais multiplica os benefícios dos setores criativos sobre todas as cadeias nas quais se inserem, incrementado o impacto econômico e favorecendo a originalidade e a competitividade de produtos, serviços e marcas.

Apesar de [leia mais]

SimplíssimoEscola do Livro: Economia Criativa – Do Conceito Aos Negócios

Estratégia dos gigantes está a anos-luz da idéia de vender livros

Eduardo Artigos 1 Comment

Vale a pena ver a transcrição completa dos comentários de Benedicte Page, no The Bookseller, que está cobrindo a The Book Industry Conference 2010. Uma tradução rápida revela como os livros, ou melhor, os e-books, se inserem dentro da estratégia de cada empresa:

Apple, Google e Amazon não são livreiros e suas ações sobre os livros e os editores deve ser entendida nos termos dos seus objetivos estratégicos, anos-luz além dos objetivos dos livreiros tradicionais.

Benedict Evans da empresa de mídia e tecnologia Enders Analysis apontou a diferença de escala dessas empresas para a indústria do livro, assinalando que [leia mais]

SimplíssimoEstratégia dos gigantes está a anos-luz da idéia de vender livros

Estratégia dos gigantes está a anos-luz da idéia de vender livros – artigo

Colaboração do leitor Artigos 1 Comment

Vale a pena ver a transcrição completa dos comentários de Benedicte Page, no The Bookseller, que está cobrindo a The Book Industry Conference 2010. Uma tradução rápida revela como os livros, ou melhor, os e-books, se inserem dentro da estratégia de cada empresa:

Apple, Google e Amazon não são livreiros e suas ações sobre os livros e os editores deve ser entendida nos termos dos seus objetivos estratégicos, anos-luz além dos objetivos dos livreiros tradicionais.

Benedict Evans da empresa de mídia e tecnologia Enders Analysis apontou a diferença de escala dessas empresas para a indústria do livro, assinalando que [leia mais]

SimplíssimoEstratégia dos gigantes está a anos-luz da idéia de vender livros – artigo