O uso de ereaders em bibliotecas

Liliana Giusti Serra Ebooks 0 Comments

Muitas bibliotecas estão recebendo solicitações de usuários e gestores para que incluam e-books em seus acervos. Quando isto ocorre, muitos bibliotecários acreditam que o primeiro passo a ser dado é a aquisição de e-readers ou tablets. Ter este entendimento é tão irreal quanto imaginar que para iniciar um projeto de biblioteca digital deve-se adquirir primeiramente um scanner! A utilização de dispositivos de leitura em bibliotecas pode representar benefícios, porém não deve ser enxergado como uma política para inclusão destes recursos em bibliotecas.

Ao adquirir dispositivos de leitura, a biblioteca fará aquisição de conteúdo – que será armazenado nestes equipamentos – e os emprestará aos usuários. Há poucos anos alguns editores chegaram a sugerir que as bibliotecas oferecessem e-books através de empréstimo de e-readers. Esta sugestão é polêmica, pois os altos custos envolvidos na compra de equipamentos e sua oferta aos usuários representam um risco. Considerando-se a má utilização, depreciação, manutenção, obsolescência, risco de perda, roubo e demais danos, a adoção desta prática não se mostra vantajosa às bibliotecas, sem considerar, inclusive, que não é permitida a carga indiscriminada dos livros nos dispositivos móveis.

Um dispositivo de leitura armazena grande quantidade de obras. Quando o leitor retira um equipamento ele não está levando apenas uma obra, mas um conjunto delas. Adquirir conteúdo e replica-lo em diversos dispositivos não é uma postura interessante, pois não representa variedade de obras. É como se a biblioteca possuísse diversos exemplares da mesma obra, porém reunidos em um único aparelho.

É necessário pontuar também que ao incluir estes recursos aos acervos, tanto a equipe da biblioteca quanto os usuários devem receber uma capacitação mínima de utilização dos dispositivos, caso contrário não saberão operar os equipamentos, identificar os recursos disponíveis e realizar a leitura.

Algumas experiências de utilização destes recursos são interessantes, porém antes de comprar dispositivos, existem alguns detalhes que devem ser analisados:

      1) Escolha do equipamento: e-reader ou tablet? Ambos permitem a leitura de livros eletrônicos, porém são equipamentos distintos. A escolha do equipamento, modelo e marca influencia o tipo de publicação que poderá ser adquirida, assim como as funcionalidades existentes. Por possuírem tecnologia e recursos diferentes, a biblioteca deve ter clareza das vantagens e desvantagens na escolha do tipo de dispositivo. De acordo com o Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia, de Cunha & Cavalcanti (2008), e-readers são leitores de livro eletrônico. Já a Wikipedia os define como pequeno aparelho que tem como função principal mostrar em uma tela o conteúdo de livros digitais e outros tipos de mídia digital. Tablets são computadores móveis, operados por tela sensível a toque (touch screen). São dispositivos de uso pessoal em formato de prancheta, que podem ser utilizados para navegação na internet, visualização de fotos, jogos ou para leitura de jornais, revistas e livros. Os e-books serão baixados nos dispositivos e a leitura deverá ser realizada por eles, sem opção de visualizar os e-books em outros equipamentos como computadores ou smartphones. Não é possível transferir um livro digital de um equipamento para outro;
      2) Formatos dos arquivos: é necessário identificar os formatos de arquivos compatíveis com os dispositivos de leitura, caso contrário pode-se adquirir um equipamento que não suporte alguns formatos, impedindo a leitura. O Kindle utiliza-se de formato proprietário AZW, porém é compatível com arquivos em PDF e ePub. Publicações adquiridas na Amazon apenas podem ser lidas por aparelhos Kindle ou em tablets, desde que instalada a APP da loja virtual. A maioria dos equipamentos suporta os formatos PDF e ePub;
      3) Conteúdo oferecido: A biblioteca deve estabelecer critérios sobre distribuição do conteúdo incluído em cada dispositivo para otimizar o empréstimo do equipamento. Recomenda-se que sejam definidos temas por dispositivo, assim as chances de mais obras serem consultadas pelos mesmos usuários são maiores.

É interessante conhecer algumas iniciativas de empréstimo de e-readers realizadas por bibliotecas nos Estados Unidos, Brasil e Espanha.

A Biblioteca Pública River Forest (Illinois, EUA) recebeu doação de três Kindles em 2008 e investiu US$ 180,00 em compra de conteúdo, definindo três categorias: ficção, não ficção e mistério/suspense. Os dispositivos foram catalogados pelas categorias e disponibilizados para consulta pelo OPAC. As obras presentes em cada equipamento não foram descritas num primeiro momento (poderiam ter sido inseridas em nota de conteúdo). O objetivo do projeto não era tanto identificar quais obras eram lidas, mas oferecer a experiência de leitura digital do usuário. Ao retirar um e-reader emprestado, o usuário selecionava a categoria do dispositivo que desejava e fazia empréstimo do equipamento. Os Kindles eram emprestados com um carregador de baterias e uma capa em couro para transporte e proteção. Antes de finalizar o processo de empréstimo, os usuários recebiam capacitação sobre como utilizar o Kindle. Os equipamentos eram bloqueados para impedir que os conteúdos fossem apagados ou que novas obras fossem adquiridas. Os e-readers eram emprestados por três semanas, sem possibilidade de renovação. Este serviço foi oferecido apenas à comunidade registrada na biblioteca, não estando disponível para empréstimo entre bibliotecas (EEB). Os bibliotecários não sabiam quais obras eram lidas, se total ou parcialmente. Com este fato não era possível identificar as obras mais lidas, identificar o perfil do usuário ou acompanhar detalhes do projeto, uma vez que apenas a categoria do e-reader era registrado. Os bibliotecários também não prepararam pesquisas sobre opinião dos usuários sobre a experiência, quando estes faziam a devolução. Os Kindles mostraram-se bem resistentes com a circulação e poucos problemas foram reportados.

O projeto agradou a comunidade por permitir aos usuários o contato com publicações eletrônicas. Desta forma o usuário poderia ter a experiência da leitura digital sem a necessidade de investir na compra de um equipamento. No início do programa formou-se longa fila de reservas, comprovando o interesse da comunidade em experimentar a leitura de e-books. Atualmente a página da biblioteca não faz destaque do serviço, porém os equipamentos estão descritos e disponíveis no OPAC. Não é possível precisar a quantidade de dispositivos existentes no acervo, porém foram identificados diversos modelos de Kindles (Fire, Fire HD, Touch 3G etc.) no catálogo. Observa-se que as obras existentes nos equipamentos estão descritas atualmente. Curiosamente os equipamentos identificados no OPAC estavam todos disponíveis, o que pode representar que o interesse dos usuários é menor pelo projeto ou então, que a biblioteca dispõe de outras ofertas de acesso aos e-books (assinaturas, aquisição perpétua, PDA etc.). Ainda pode-se deduzir que muitos dos usuários optaram por adquirir seus próprios dispositivos ou então que a leitura digital não encontrou a aderência imaginada.

A Biblioteca de São Paulo oferece dispositivos de leitura a seus usuários desde sua inauguração, em 2010. Eles possuem quatro equipamentos Kindle, com conteúdo igual em todos os equipamentos, prevalecendo obras em domínio público, de literatura nacional. Conteúdos parciais (capítulos) de obras protegidas por direitos autorais e literatura estrangeira também estão disponíveis. Os aparelhos não são oferecidos para empréstimo domiciliar, sendo seu uso restrito ao espaço da biblioteca. Os Kindles ficam expostos em suportes e os leitores podem utiliza-los. Segundo a equipe contatada, os aparelhos suscitaram maior interesse no inicio do projeto, porém atualmente poucos usuários utilizam os equipamentos ou fazem leituras completas dos e-books disponíveis. Os equipamentos servem para atender a curiosidade da comunidade usuária em relação à experiência da leitura digital, não sendo identificadas solicitações para empréstimo domiciliar ou sugestão de novos conteúdos. O manuseio dos equipamentos é semelhante ao que ocorre em lojas, onde os aparelhos estão fixos e podem ser consultados, porém não permitem o mesmo contato que é feito quando podem ser manuseados livremente.

As bibliotecas públicas da Espanha adquiriram equipamentos e inseriram conteúdo de obras em domínio público, prioritariamente literatura internacional, com obras de Oscar Wilde, Cervantes, Shakespeare entre outros. Os usuários espanhóis podem levar os equipamentos para casa, por períodos de 15 a 45 dias. O projeto, iniciado em 2011, contou com investimento de 130 mil euros, com a compra de 750 e-readers, oferecendo o serviço para todas as 54 bibliotecas públicas do país.

Como é possível observar nos projetos apresentados, os usuários demonstram interesse em ler e-readers e a biblioteca mostra-se como um espaço convidativo para esta oferta. Por outro lado, os investimentos e riscos são altos e a escolha e utilização dos conteúdos é complexa, com dois casos de instituições que optaram por dispor apenas obras em domínio público. Nota-se também que o uso e interesse dos usuários tende a diminuir com o passar do tempo, por motivos que não foram mensurados (ou pelo menos divulgados em relatos de experiências).

O importante é ressaltar que comprar e disponibilizar e-readers não pode ser identificado como uma política de uso de e-books em bibliotecas. Leitura digital e e-books em bibliotecas são situações distintas. Recomenda-se, apenas, cautela e clareza de critérios no momento de adquirir dispositivos de leitura, evitando investimentos equivocados ou limitações de aplicação.

SimplíssimoO uso de ereaders em bibliotecas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *