Livraria

Em 2020 lojas físicas vendem 32% menos livros, livrarias virtuais crescem 84%

Eduardo Melo Notícias Deixe um comentário

O mercado editorial teve uma queda de 13% no seu faturamento total em 2020 na comparação com o ano anterior, mostra a pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro que acaba de ser divulgada.

O número leva em conta as vendas para o mercado e para o governo, em valores ajustados pela inflação. Quando se olha apenas para as vendas ao mercado, a queda foi de 10%.

Os dados da tradicional pesquisa — realizada pela Nielsen em parceria com a Câmara Brasileira do Livro e o Sindicato Nacional dos Editores de Livros — consolidam o forte impacto que a pandemia do coronavírus teve sobre um setor que estava até então em recuperação.

O levantamento também mostra que a participação das livrarias virtuais cresceu 84% no faturamento das editoras no ano da pandemia, enquanto as lojas físicas tiveram uma queda de 32%.

Se o faturamento das vendas por canais virtuais era de R$ 502 milhões em 2019, ele saltou para R$ 923 milhões no ano passado, quando as livrarias tiveram que fechar por causa da quarentena.

“O varejo online se preparou e capturou boa parte do mercado, não só o do livro”, diz Marcos Pereira, presidente do sindicato. “Essa concentração leva a negociações mais difíceis, mas tenho observado um investimento grande também na abertura de novas lojas. Todas as vezes que o comércio consegue abrir, a há um crescimento nas vendas das livrarias. O online vai capturar parte grande do mercado, mas nossa preocupação é criar um ecossistema saudável, em que a livraria física também seja valorizada.”

“Isso é algo que veio para ficar, e as livrarias vão aprender também a lidar com as vendas virtuais”, diz Vitor Tavares, da Câmara Brasileira do Livro.

O faturamento total no ano foi de R$ 5,2 bilhões, com 354 milhões de exemplares vendidos. A venda de livros didáticos teve redução de 15%. A produção do setor decaiu em todos os quesitos, mas o número de lançamentos foi mais significativo, tendo caído 17,4% em comparação com o ano anterior.

O setor com melhor desempenho foi o de obras gerais, com alta de 3,8% em vendas ao mercado. Em contraste com os livros didáticos, comenta Mariana Bueno, da Nielsen, esse são os “livros que a gente compra porque quer, porque gosta de ler”. “Temos que olhar para esses indicadores que são de fato positivos.”

Entre os recortes, o setor com pior resultado foi o de religiosos, com recuo de 18% no índice de vendas gerais.

O resultado tem ruído com o balanço da pesquisa Painel do Varejo de Livros, que monitora a receita pelos canais de venda e retrata uma situação mais favorável para o setor. Mariana Bueno, da Nielsen, aponta que “são pesquisas que conversam, mas não batem diretamente, porque uma olha o varejo e outra olha a indústria”.

Fonte: Folha de SP – 25/05/2021 – https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2021/05/pandemia-abate-mercado-editorial-mas-livrarias-virtuais-crescem-84.shtml

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

Eduardo Melo

Eduardo Melo é fundador da Simplíssimo e seu diretor-executivo desde 2010. É licenciado em História e Mestre em Teoria da Literatura.

SimplíssimoEm 2020 lojas físicas vendem 32% menos livros, livrarias virtuais crescem 84%

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *