Kindle no Brasil Custa Apenas R$545,00 – e a Concorrência Não Tem Pernas Para Competir

09/11/2011
 / 
por Eduardo Melo
 / 

A notícia não é nova, mas é fora de série – o preço então, mais ainda.

Os novos Kindles foram lançados recentemente em novas versões: uma apenas com Wi-Fi por US$ 139,00 e outra com Wi-Fi e o tradicional 3G, que funciona no Brasil, por US$ 189,00. Há também uma nova versão sem teclado, mais simples, por US$109,00.

Os preços em reais, considerando a cotação do dólar em 09/11/2011 e os impostos recolhidos já na compra:

R$445,00 pelo Kindle, versão 6″, com Wi-Fi

R$545,00 pelo Kindle Keyboard, versão 6″, com Wi-Fi

R$715,00 pelo Kindle Keyboard 3G, versão 6″, com Wi-Fi e 3G

Sem as taxas, os preços ainda seriam a metade destes. Quando o Kindle foi lançado internacionalmente, em outubro de 2009, ele custava mais de R$ 1.000,00 no Brasil, também na venda pela Amazon e com os impostos. Hoje é possível comprar um aparelho muito melhor pela metade do preço – a versão Wi-Fi e teclado. Os números mostram a velocidade com que o mundo da leitura se dirige para uma realidade digital e como a competição trazida pela Apple e o iPad mudaram o cenário em 2010.

O Kindle, todos sabemos, tem a maior biblioteca de livros digitais à venda no mundo, já passam de 870.000 títulos hoje. Apenas cerca de 2.000 estão em português. Se você tem arquivos em outros formatos, sempre pode usar o Calibre para converter eles para o Kindle e ler sem problemas.

 

Minha avaliação como leitor

Em uma comparação bem rápida, quais são os outros aparelhos à venda no Brasil, hoje ou no futuro próximo? O Alfa, da Positivo, que com tela touchscreen e WiFi, é vendido por cerca de R$ 600,00. Temos os produtos da iriver, que são bons, mas ainda custam mais de R$700. Resumindo… alguém consegue competir em preço e qualidade com o Kindle? Muito difícil! O Kindle é fabricado em grande escala, e esse preço camarada está claramente sendo subsidiado pela Amazon, que quer prender os leitores na sua loja… Apple, obrigado por trazer competição ao mercado! Mas está na hora das livrarias brasileiras arregaçarem as mangas e nos darem alternativas competitivas, concretas.

Bem, cobrando R$ 545,00 por um Kindle, e durante vários meses… a Amazon já deve ter vendido muitos Kindles aqui no Brasil. Em número suficiente, para justificar que a empresa assedie as editoras a colocarem seus ebooks na Amazon. Porém, os brasileiros não são bobos quando se trata de negócios, e sabem muito bem aonde a Amazon pode levar o mercado se dominar sozinha o cenário digital no país.

Saraiva, Cultura, e outras lojas que só vendem livros com DRM e que não podem ser lidos de jeito nenhum no Kindle… vocês vão encarar tempos difíceis, hein!

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

09/11/2011
 / 
por Eduardo Melo
 / 

A notícia não é nova, mas é fora de série – o preço então, mais ainda.

Os novos Kindles foram lançados recentemente em novas versões: uma apenas com Wi-Fi por US$ 139,00 e outra com Wi-Fi e o tradicional 3G, que funciona no Brasil, por US$ 189,00. Há também uma nova versão sem teclado, mais simples, por US$109,00.

Os preços em reais, considerando a cotação do dólar em 09/11/2011 e os impostos recolhidos já na compra:

R$445,00 pelo Kindle, versão 6″, com Wi-Fi

R$545,00 pelo Kindle Keyboard, versão 6″, com Wi-Fi

R$715,00 pelo Kindle Keyboard 3G, versão 6″, com Wi-Fi e 3G

Sem as taxas, os preços ainda seriam a metade destes. Quando o Kindle foi lançado internacionalmente, em outubro de 2009, ele custava mais de R$ 1.000,00 no Brasil, também na venda pela Amazon e com os impostos. Hoje é possível comprar um aparelho muito melhor pela metade do preço – a versão Wi-Fi e teclado. Os números mostram a velocidade com que o mundo da leitura se dirige para uma realidade digital e como a competição trazida pela Apple e o iPad mudaram o cenário em 2010.

O Kindle, todos sabemos, tem a maior biblioteca de livros digitais à venda no mundo, já passam de 870.000 títulos hoje. Apenas cerca de 2.000 estão em português. Se você tem arquivos em outros formatos, sempre pode usar o Calibre para converter eles para o Kindle e ler sem problemas.

 

Minha avaliação como leitor

Em uma comparação bem rápida, quais são os outros aparelhos à venda no Brasil, hoje ou no futuro próximo? O Alfa, da Positivo, que com tela touchscreen e WiFi, é vendido por cerca de R$ 600,00. Temos os produtos da iriver, que são bons, mas ainda custam mais de R$700. Resumindo… alguém consegue competir em preço e qualidade com o Kindle? Muito difícil! O Kindle é fabricado em grande escala, e esse preço camarada está claramente sendo subsidiado pela Amazon, que quer prender os leitores na sua loja… Apple, obrigado por trazer competição ao mercado! Mas está na hora das livrarias brasileiras arregaçarem as mangas e nos darem alternativas competitivas, concretas.

Bem, cobrando R$ 545,00 por um Kindle, e durante vários meses… a Amazon já deve ter vendido muitos Kindles aqui no Brasil. Em número suficiente, para justificar que a empresa assedie as editoras a colocarem seus ebooks na Amazon. Porém, os brasileiros não são bobos quando se trata de negócios, e sabem muito bem aonde a Amazon pode levar o mercado se dominar sozinha o cenário digital no país.

Saraiva, Cultura, e outras lojas que só vendem livros com DRM e que não podem ser lidos de jeito nenhum no Kindle… vocês vão encarar tempos difíceis, hein!

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

  1. Eduardo DRM não é mais proteção, porque muitos blogs ensinam como retirar o DRM que por sinal é um jeito fácil de tirar usando o calibre para poder usar os livros comprados com DRM no kindle. Que as editoras acordem e mudem.

Deixe um comentário para Eduardo MeloCancelar comentário