Quem se auto-publica, pode ser chamado de “autor”?

da Redação Autores, Ebooks

Semana passada, Michael Kozlowski, editor do blog Good e-Reader, publicou um post dizendo que autores que publicam seus ebooks por conta própria não deveriam sequer serem chamados de autores – e provocou a revolta da ala indie (autores independentes) ao redor do mundo. Kozlowski partiu da seguinte premissa:

“O simples fato de poder fazer upload das suas escritas na internet não faz de você um autor, assim como o ato de usar um estetoscópio não faz de mim um médico.”

No mercado de eBooks, os autores auto-publicados têm lutado nos últimos cinco anos para garantir a legitimidade aos olhos dos varejistas, leitores e indústria editorial. Kozlowski, mesmo sem querer, trouxe alguns questionamentos a respeito da avaliação (e validação) dos profissionais. Uma vez que ganhos são obtidos com a função que é exercida, como podemos dizer que “A” é mais profissional que “B”?

Para Jeremy Greenfield, do Digital Book World, a ideia de julgar e tentar medir a taxa de profissionalismo de uma publicação é de natureza subjetiva, e não deve ser aplicada em todos os casos. Um autor que realiza suas publicações de maneira independente não deve ser considerado menos profissional ou somente “escritor” (como Kozlowski defende), pois o processo criativo também está presente nesse modo de se fazer os livros.

Para ver a discussão completa, visite o Digital Book World

 

 

 

Para publicar seu livro em ebook ou impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Nossos números são difíceis de bater: desde 2010, a Simplíssimo comercializou mais de 1 milhão de exemplares e publicou mais de 1.000 ebooks e livros impressos. Veja como funciona a publicação para seu livro, aqui.

 

SimplíssimoQuem se auto-publica, pode ser chamado de “autor”?