O livro didático digital e o Grande Irmão

Eduardo Melo Notícias Deixe um comentário

Enquanto os livros didáticos digitais ainda engatinham aqui no Brasil, nos Estados Unidos já se discute a questão da privacidade na utilização dos didáticos digitais – especificamente, o uso que poderá ser feito da análise de comportamento e padrão de leitura dos estudantes, a partir das informações obtidas remotamente com o uso dos ebooks didáticos.

Em artigo na Folha de SP do dia 03/12, o colunista e pesquisador visitante da Universidade Stanford, Evgeny Morozov, levanta a seguinte questão:

Nem todo mundo tem condição de ostentar independência e recusar a leitura de um livro didático insultuoso ou mesmo entediante; às vezes, a resistência é passiva e menos heroica. Livros didáticos que reportem os hábitos de leitura dos usuários não os forçarão magicamente a ler o conteúdo –a não ser que o movimento dos olhos do aluno seja monitorado pelo aparelho, o leitor continuará tendo o direito de virar páginas sem lê-las.

O fato de que os dados de uso serão computados para calcular um “índice de envolvimento” também pode ter efeitos adversos; alguns alunos talvez já conheçam a matéria e por isso não tenham a necessidade de ler todo o capítulo. Seu “índice de envolvimento” será previsivelmente baixo, mas não serviria como indicador de seu conhecimento real da matéria. Além disso, assim que “índices de envolvimento” vierem a ser incorporados aos esquemas de avaliação de aprendizado das escolas e das autoridades da educação, haveria forte incentivo para manipular o sistema –talvez convencendo os estudantes a folhear o material o maior número possível de vezes.

Isso resultaria em índice de envolvimento teoricamente mais elevado, mas nada nos diria, uma vez mais, sobre a qualidade da educação. Qualquer que seja o problema de nossas escolas hoje em dia, certamente não envolve uma falta de metas e objetivos quantificados.

(…)

Tudo isso pode se provar útil em curto prazo, mas parece que os estudantes –os supostos beneficiários da “era digital”– estão perdendo a batalha pelo poder contra os professores e dirigentes escolares. Os dias em que os alunos estavam autorizados a pesquisar o que quisessem em seus iPads –por exemplo, o significado de uma palavra ou dados sobre uma figura histórica– podem estar chegando ao fim.

Veja o texto original, completo, no site da Folha.

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

Eduardo Melo

Eduardo Melo é fundador da Simplíssimo e seu diretor-executivo desde 2010. É licenciado em História e Mestre em Teoria da Literatura.

SimplíssimoO livro didático digital e o Grande Irmão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.