Na onda dos eróticos, editora digital lançará clássicos “recontados”

Nina Sarti Ebooks, Notícias 5 Comments

Nos mercados de língua inglesa, a onda dos livros eróticos inaugurada pela trilogia “Fifty Shades of Grey” não dá sinais de desacelerar. No começo da semana, a Macmillan revelou que transformaria “Jane Eyre”, o clássico de Charlotte Brontë publicado pela primeira vez em 1847, no romance erótico “Jane Eyre Laid Bare”. Hoje foi a vez da editora de e-books Total-E-Bound anunciar a coleção Clandestine Classics, que vai apimentar obras como “Orgulho e preconceito”, “O Fantasma da Ópera”, “O morro dos ventos uivantes” e “A ilha do tesouro” com cenas eróticas, ainda que mantendo a maior parte do texto original. Segundo a editora, os e-books estarão disponíveis a partir do dia 30 de julho, com preços entre £1.69 e £2.99.

A notícia confirma a tendência notada lá fora, especialmente nos EUA, de que os e-books funcionam melhor para ficção de nicho – fantasia, ficção científica e, ultimamente, com grande destaque para os eróticos. Dando uma olhada rápida na lista de bestsellers da Kindle Store, dos vinte primeiros colocados, sete são livros eróticos (a lista inclui, é claro, todos os volumes de “Fifty Shades”, além de um pacote que inclui os três livros por US$29.99).

Aqui no Brasil, ao que tudo indica, esse fenômeno ainda não aconteceu. Entre as livrarias nacionais, os eróticos encontram mais espaço na Gato Sabido: são quatro na lista de mais vendidos, com destaque para a pré-venda do “Cinquenta tons de cinza”, da Intrínseca, que está em segundo lugar. Na Livraria Cultura, apenas um livro aparece na lista (“A fugitiva”, de Anaïs Nin), mas em primeiro lugar. Já na lista da Saraiva, entre os vinte mais vendidos, não aparece nenhum erótico. Aliás, nas duas últimas, há uma diversidade notável de gêneros: na Cultura, a biografia de Getúlio Vargas convive com um ensaio clássico de Freud, um conto de Tolstói e um romance de James Patterson; na Saraiva, Jorge Amado está ao lado do Vade Mecum e do livro do Eike Batista. Teremos que esperar até o segundo semestre – o lançamento de “Cinquenta tons de cinza” está previsto para 1º de agosto – para ver se a tendência dos EUA se repete por aqui.

Para publicar seu livro em ebook ou impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Nossos números são difíceis de bater: desde 2010, a Simplíssimo comercializou mais de 1 milhão de exemplares e publicou mais de 1.000 ebooks e livros impressos. Veja como funciona a publicação para seu livro, aqui.

 

SimplíssimoNa onda dos eróticos, editora digital lançará clássicos “recontados”

Comments 5

  1. Caramba, eu acho bacana que este tipo de literatura ganhe espaço neste meio, que é bem propício, apesar de não ser alta literatura, mas converter clássicos em livros eróticos, inserindo texto? Não sei se isso vai ficar bom não, hehe.

  2. "A onda dos livros eróticos inaugurada pela trilogia “Fifty Shades of Grey”.

    Particularmente discordo que Fifty Shades tenha inaugurado essa onda, Fifty Shades foi o melhor bem sucedido, mas a onda dos eróticos já rola a muitooo tempo quem acompanha editoras com a Elloras Cave sabe que essa onda é antiga, mas sempre meio que por de baixo dos panos, sempre visto como um "Porn mommy" Acho bom as editoras brasileiras se renderem ao estilo, sinto falta desse tipo de leitura no Brasil. Sou fã de romances, sou adulta e quero mais é ler um romance adulto. Legal a Universo dos Livros ter trazido séries que nós devoradoras de livros já conhecíamos os foruns e grupos de leitura e não tínhamos publicado no Brasil, apesar da tentativa inicial de tornar o livro suave para aceitação do publico YA, bom a Intriseca ter trazido Fifty Shades, que ainda não li, mas espero que esteja fiel ao original ser cortes e/ou suavizações. O problema dos eróticos no Brasil não é só editorial é do própria público também que tem vergonha de admitir que lê e mais vergonha ainda de comprar que baixa todas as novidades de J.R.Ward, Lora Leigh, Christine Feehan entre outras para ficar lendo escondida no pc e nos e-readres.

    1. De fato o Fifty Shades não inaugurou a coisa, mas é o divisor de águas do nicho, que o fez sair da "marginalidade", digamos assim, para um público mais amplo. Um exemplo de quem já atua nesse nicho há bastante tempo, no exterior, é uma editora americana chamada LooseId. Publicam só eróticos e de autores independentes desde 2008-2009, tanto em eBooks como POD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *