kyobo reader

Site Faz Resenha do Kyobo, o eReader Colorido

da Redação Notícias Deixe um comentário

Nate Hoffelder do site The Digital Reader conseguiu pôr as mãos em um Kyobo Reader, o primeiro eReader com a tecnologia Mirasol, conhecida como eInk colorido. Como ainda deve demorar muito até que esse produto chegue ao Brasil – se é que um dia chegará –, vamos colocar alguns trechos da matéria aqui para que vocês conheçam mais sobre esse hardware.

Sobre a tão famosa tela:

Eu estive ansioso para conferir a tela deste dispositivo por mais de um ano, e eu acho difícil expressar quão decepcionante o dispositivo é ao vivo. Sim, a tecnologia de tela é muito legal, mas o dispositivo em torno dele não faz jus ao hype que a Qualcomm gerou ao longo dos últimos dois anos.

Sobre o aparelho em si:

O Kyobo roda o Android  versão 2.3.5 em uma CPU de 1GHz Snapdragon da Qualcomm, mas é definitivamente um eReader. Não é um tablet, e apenas para se certificar de que continue assim não é possível instalar apps. Embora eu não tenha feito qualquer esforço árduo para contornar o bloqueio, todos os truques óbvios não funcionaram.

A tela mede 5.7 polegadas e tem toque capacitivo. Ele tem WiFi, é claro, mas também carece de qualquer armazenamento interno acessível. Se você quiser carregar seus próprios eBooks terá de comprar um cartão microSD.

Eu só estou com esse dispositivo há uma semana, mas com base em como a bateria está caindo apenas com o uso de luz (com WiFi), eu estimando que a vida real da bateria não é muito mais do que duas semanas. Claramente que é muito menos do que a maioria dos eReaders, e também não é muito mais a vida da bateria do que alguns dos melhores tablets.

E na hora da leitura:

Primeiro, ele leva mais de 30 segundos para abrir um eBook. Sim, 30 segundos. Eu cronometrei. Além disso, o aplicativo de leitura fecha muitas vezes. Ele me leva ao navegador web, que é um pouco estranho. Eu estou supondo que eu acabo no browser porque não há nenhuma tela inicial real.

Eu não posso usá-lo com eBooks protegidos por DRM. Eu tentei várias vezes autorizar este dispositivo com o Adobe ID, mas o app nunca percebeu. Embora eu tenha uma extensa biblioteca de eBooks sem DRM, ainda sinto que suportar DRM é um dos requisitos mínimos para um leitor de eBook – especialmente um que custa US$300. Para ser justo, eu não tenho certeza de que o DRM é uma reclamação válida. Ninguém nunca afirmou que o Kyobo poderia suportar Adobe DRM. Mas você tem que perguntar por que ele não faz isso, já que ePub com DRM é o formato dominante.

Em seguida, este dispositivo não suporte corretamente ePub. Sim, a especificação lista PDF e ePub, mas o aplicativo de leitura não exibe o CSS corretamente e também não encontra o TOC externo em um ePub. Ele também não pode usar o TOC interno porque não é configurado para permitir que você clique em um link. A busca não funciona, o TTS é uma porcaria e o dicionário é em coreano.

No lado positivo, a velocidade ao virar a página é ligeiramente mais rápida do que o meu Touch Kindle. Mas também é ligeiramente mais lenta do que a velocidade de virar a página no Aldiko (em execução no meu Samsung Galaxy Tab).

Dá para perceber que, pelo depoimento de Hoffelder, o aparelho é bem menos do que falam por aí, incluindo nessa lista a tão esperada tela Mirasol.

Para publicar seu livro em ebook ou impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.000 autores e editoras. Veja como funciona a publicação para seu livro, aqui.

 

SimplíssimoSite Faz Resenha do Kyobo, o eReader Colorido

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *