Novo sistema anti-pirataria derruba cópias ilegais de grande sites de compartilhamento

Eduardo Melo Ebooks, Notícias 2 Comments

Quem sofre com a pirataria, já deve ter reparado que a maior parte dos arquivos piratas fica hospedada em sites de troca/compartilhamento de arquivos. É possível remover os links através de denúncias junto aos sites, mas isso geralmente envolve o trabalho manual de uma pessoa, para fazer os pedidos e monitorar os links piratas. O processo é cíclico, interminável, já que os arquivos podem reaparecer em outros sites, depois. Quanto mais livros para monitorar, mais difícil (e caro) esse trabalho.

A empresa americana MUSO, a partir desse problema, desenvolveu um sistema que realiza, automaticamente, a busca e remoção de links piratas. Um sonho para editores e autores vítimas da pirataria (ou neuróticos de preocupação). A empresa oferece planos a partir de R$ 35 por mês, cujos preços variam conforme o volume de livros a serem monitorados/removidos dos sites ilegais.

Segundo o site da empresa, o sistema remove arquivos ilegais de sites P2P, serviços de compartilhamento de arquivos, sistemas de busca, entre outros. Embora não prometa eliminar todos os arquivos piratas, a MUSO se compromete a diminuir muito a disponibilidade de arquivos piratas na rede.

Se funciona, ou não, já é outra história. Para quem quiser conhecer, basta visitar o site da empresa, que oferece um teste grátis do serviço.

Para publicar seu ebook ou livro impresso, nas principais livrarias online, conheça o serviço de publicação da Simplíssimo. Desde 2010 a Simplíssimo já comercializou mais de 1 milhão de exemplares, para mais de 1.500 autores e editoras. Veja como funciona.

 

Sobre o autor

Eduardo Melo

Eduardo Melo é fundador da Simplíssimo e seu diretor-executivo desde 2010. É licenciado em História e Mestre em Teoria da Literatura.

SimplíssimoNovo sistema anti-pirataria derruba cópias ilegais de grande sites de compartilhamento

Comments 2

  1. Eu adoro a pirataria de ebooks. As pessoas precisam entender que existem dois tipos de pessoas: quem vai atras de conteúdo pirata e quem compra. A pirataria ajuda a promover o livro, e não diminui as vendas por isso quando o preço do livro é baixo: de 0,99 até 3,99 em média. Para eBooks com valores muito elevados, aí sim pode complicar.

    Quem disse isso foi um autor americano de dezenas de livros e com larga experiência em eBooks chamado J. Konrath, acho que é assim que se escreve.

    Ele não usa DRM e não liga se seus livros estão no torrent. Já testou de tudo e percebeu que não há o que se fazer, e que é uma preocupação inútil. Tem muita gente no mundo. Quem quiser ganhar muito dinheiro com eBooks deve ficar feliz com os royalties elevados oferecidos pela Amazon, 30 e 70%, e trabalhar com volume de vendas, não com preço. Você tem que pensar grande.

    As pessoas tem medo de vírus, de não receber o arquivo como o original, completo e seguro, por isso preferem comprar. Essa é a maioria. Quem baixa são estudantes, desempregados, pessoas com conhecimento mais avançado em informática, e geralmente falidos financeiramente. São a minoria, e não fazem parte da massa que tem conhecimentos básicos, e prefere comprar e pagar.

  2. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk… é o que? isso é balela! quanto um produto seja ele qual for entra no mundo da pirataria digital é quase impossivel retira-lo. esse sistema só destroi links o que é irrelevante já que ele não apaga o arquivo guardado nos servidores. com a entrada do "mega.com" ai que as coisas vão ficar mais dificeis vá que o mega usa um sistema de criptografia quase impossivel de ser decodificado e tambem porque o proprio sistema não vai saber onde está o diretorio do arquivo. assim os proprios administradores do mega não irão saber onde está os arquivos só podendo ser deletado pelo proprio postador. então em janeiro de 2013 as coisas vão mudar! AMÉM POR ISSO!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Currently you have JavaScript disabled. In order to post comments, please make sure JavaScript and Cookies are enabled, and reload the page. Click here for instructions on how to enable JavaScript in your browser.